Nas Bancas

Liliana Campos: “O amor faz-nos ultrapassar as desavenças”

Casada há um ano com Rodrigo Herédia, a apresentadora revela o seu “segredo” para que a relação resulte.

Joana Carreira
12 de agosto de 2017, 14:00

Aos 46 anos, Liliana Campos é uma mulher realizada, mas admite que ainda lhe falta fazer “muito” naquela que é a sua paixão: a televisão. A apresentadora do programa Passadeira Vermelha, da SIC CARAS, esteve em trabalho no Algarve, onde falou com a CARAS. Uma conversa sobre as suas convicções enquanto mulher e o primeiro ano de casamento com o empresário Rodrigo Herédia. Liliana confessou também, emocionada, que ainda não consegue lidar com a ausência da mãe, Zena, que morreu em janeiro de 2016.
– É fã do verão?
Liliana Campos
– Sou, até demais! Costumo dizer que já esgotei as horas de sol desta vida e das próximas. Gosto muito de praia e tenho a plena consciência de que o sol faz bem à alma, mas mal à pele. Pode não parecer, porque sou morena, mas não uso um protetor abaixo do fator 50. Se não fosse assim, estaria bem mais escura, o que não funciona em televisão, porque nos torna mais velhas, mais carregadas. Além disso, tenho sardas, que têm tendência a juntar-se e a fazer as tais manchas causadas pelo sol. Hoje os cuidados são redobrados, porque a minha pele já está bastante ressentida dos anos em que não havia tanta noção dos perigos do sol. Mas sabe-me tão bem sentir o sol a penetrar nas minhas células! É mesmo uma renovação! Para mim, férias são na praia, mas já me apetece mais ficar na sombra, a ler, que é uma das minhas grandes paixões.
– Trabalhando em televisão, o avançar da idade assusta-a?
– Nem penso nisso, porque estou na melhor fase da minha carreira, era algo que eu pensava que já não ia acontecer e, de repente, estou na SIC CARAS desde o minuto zero. E essa oportunidade chegou já depois dos 40. Acho que um dos segredos é mesmo esse, não pensar nisso. Parte muito da nossa cabeça. Além de que, hoje em dia, a estética está tão evoluída para nos ajudar a contornar alguns sinais do tempo que não estou preocupada com isso.
– E a nível pessoal, que balanço faz do seu primeiro ano de casada?
– É bastante positivo. Já estava a viver com o Rodrigo, por isso as coisas no dia a dia não mudaram. Ainda fico com um sorriso nos lábios quando viajo no tempo e recordo o dia do casamento. Foi o dia mais feliz da minha vida. Parece que foi ontem... é assustador como passa tão depressa.
Leia esta entrevista na íntegra na edição 1148 da revista CARAS.
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play
Vídeo de 'making of' da sessão fotográfica que acompanha a entrevista:

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras