Nas Bancas

Tony Miranda: “Não há mais ou menos em alta-costura, a peça tem de ser perfeita”

O criador, de 69 anos, recebeu a CARAS no seu ‘atelier’, na Avenida da Liberdade, onde nos falou, com entusiasmo, da arte à qual se dedica há mais de 50 anos.

Cláudia Alegria
25 de junho de 2017, 12:00

Filho de dois artesãos, mestres nos seus ofícios – um sapateiro e uma costureira –,
quando, em pequeno, se sentava nos joelhos da mãe e a ajudava a dar aos pedais da velhinha Singer, Tony Miranda estava longe de imaginar que, um dia, se tornaria um reconhecido nome da alta-costura. Um desfile de Christian Dior que viu passar na televisão instalada no salão paroquial da sua aldeia, em Felgueiras, acabou por ditar o seu rumo profissional. Foi para Paris ainda antes de fazer 14 anos, trabalhou com alguns nomes maiores da alta-costura, como Joseph Camps ou Ted Lapidus, chegou a abrir um atelier em nome próprio, primeiro na Avenue de Suffren, mais tarde na Rue de Cambon – onde se situa a mítica sede da Casa Chanel –, até decidir regressar a Portugal, em 1989. Recebeu a CARAS no atelier que abriu há 22 anos na Avenida da Liberdade e onde chegou a funcionar, também, um pronto-a-vestir, que encerrou após a morte do filho, vítima de cancro aos 38 anos. Discreto, trabalhador e perfecionista, o mestre que já vestiu Brigitte Bardot, Charles Aznavour, Jacques Brel, Reza Pahlevi, Xá da Pérsia, ou Jacques Chirac, partilhou alguns segredos da sua arte.
O fascínio pela arte da costura despertou a partir de um televisor...
Tony Miranda –
Desde que vi o tal desfile, nem dormia a pensar na melhor maneira de chegar a Paris. Na altura, para o conseguir, precisava de 12 mil escudos, que era muito dinheiro. Não descansei até arranjar o dinheiro.
Que pediu emprestado?
– Sim, tive a ajuda da minha irmã mais velha e, sobretudo, do mestre alfaiate com quem trabalhava.
O que é que define uma peça de alta-costura?
– Uma peça de alta-costura é uma peça única. Temos de observar com atenção os gestos, a atitude, o comportamento da pessoa, para definir o estilo que queremos criar para a peça. A verdadeira alta-costura é uma peça simples e com bom corte. Se não tiver bom corte, podem dar-se muitos pontinhos, mas nunca será uma peça de alta-costura. Por isso, nunca se pode dizer que uma peça destas vai estar pronta em 15 dias ou num mês. Demora o tempo que demorar. Também não se pode dar orçamentos. Não há mais ou menos em alta-costura. As peças têm de ser perfeitas. E é pena que em Portugal se fale em alta-costura sem se saber o que é realmente.
Leia esta entrevista na íntegra na edição 1141 da revista CARAS.
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras