Nas Bancas

Carrie Fisher

Carrie Fisher

Getty Images

Autópsia revela que Carrie Fisher consumiu várias drogas antes de morrer

Atriz sofreu um ataque cardíaco num voo entre Londres e Los Angeles, a 23 de dezembro de 2016.

CARAS
20 de junho de 2017, 16:40

Dias depois de ter sido revelado que a apneia do sono, uma doença que causa obstrução das vias respiratórias durante o sono, tinha sido considerada a principal causa da morte de Carrie Fisher, a imprensa internacional adianta mais pormenores. De acordo com o relatório de autópsia, a atriz, de 60 anos, tinha no seu organismo três tipos de drogas – cocaína, heroína e ecstasy – o que significa que estas foram consumidas até pelo menos três dias antes da morte, a 27 de dezembro. “Carrie Fisher sofreu o que parecia ser uma paragem cardíaca no avião, acompanhada de vómitos, e tinha historial de apneia do sono. Com base nas informações toxicológicas de que dispomos, não podemos avançar a importância das múltiplas substâncias detetadas no seu organismo para a morte”, esclarece o relatório.
A filha da atriz, Billie Lourd, não se mostrou surpreendida com as notícias. “A minha mãe lutou contra o vício das drogas e a doença mental toda a sua vida. Acabou por morrer por causa disso. Em toda a sua vida ela sempre foi transparente e falou abertamente sobre as suas dependências”, afirmou em comunicado.
A atriz, que ficou mundialmente conhecida por dar vida à princesa Leia na saga Guerra das Estrelas foi diagnosticada com transtorno bipolar quando tinha apenas 24 anos.
Recorde-se que Carrie Fisher sofreu o que numa primeira fase foi qualificado de ataque cardíaco num voo entre Londres e Los Angeles, a 23 de dezembro. A atriz ainda esteve hospitalizada, mas acabou por não resistir.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras