Nas Bancas

Mafalda Quina e José Maria Sá-Chaves partilham o segredo da sua felicidade

Depois de descobrir, em 2015, que sofria de um problema cardíaco, Mafalda repensou toda a sua vida, incluindo a área profissional, e depois de uma formação nos EUA, fundou, com a amiga Mariana Lacerda e Mello, a Toouniq, um projeto de ‘coaching’ nutricional.

André Barata
10 de junho de 2017, 10:00

A boa disposição caracteriza José Maria Sá-Chaves, de 44 anos, e Mafalda Quina, 36, que passaram esse espírito descontraído às filhas, Carlota, de 13 anos, Caetana, de 12, e Leonor, de nove.
Há dois anos, Mafalda descobriu que tinha um problema cardíaco potencialmente fatal (arritmias difusas que obrigaram ao implante de um desfibrilhador subcutâneo) e o susto por que passaram até o problema estar controlado fez que redefinissem objetivos, tentando viver em pleno, como contam nesta entrevista.
– É fácil viver com quatro mulheres?
José Maria Sá-Chaves –
É fácil, sim. Provavelmente, desenvolvi o meu lado feminino, que se manifesta no facto de gostar de me arranjar. Por vezes até me criticam por ser demorado a arranjar-me! Nasci para viver no meio de mulheres, não me faz falta um rapaz, até porque elas gostam da maioria das coisas de que eu gosto.
– Consegue levar as suas ideias a bom porto ou a maioria feminina ganha sempre?
– Naturalmente, têm tendência a criar muita pressão quando querem alguma coisa. Se chegamos a uma situação limite, recorro à minha voz de comandante para pôr ordem na casa [risos].
Mafalda Qui­na – Ganhamos sempre, mas às vezes convencemo-lo de que ganha ele [risos].
Que tipo de pais são?
– Acho que somos descontraídos. Habituámos as nossas filhas a conviverem com adultos, a fazerem a nossa vida, a estarem presentes na grande maioria dos momentos e isso deu-lhes autonomia e liberdade de expressão. Claro que há regras, e nessa altura é preciso alguma rigidez, porque pode ser difícil encontrar o equilíbrio, especialmente para mim, que estou todos os dias com elas. É sempre um desafio, quando começo a entrar no limiar em que já sou muito amiga elas começam a pisar o risco.
José Maria Sá-Chaves – Há uma frase na aviação que serve para este caso: descontraído, porém, atento. É dessa forma que tentamos educá-las. Muitos pais querem que os filhos sejam a referência na escola, o melhor aluno, e nós investimos todos os dias nelas para que sejam melhores pessoas. Acho que, enquanto pais, não devemos ser demasiado exigentes, devemos deixá-los serem felizes, serem quem são, limando algumas arestas. Eu digo-lhes que tudo se pode fazer, mas com responsabilidade. Há que lutar pelos objetivos, definir metas e ser responsável. Não quero que sejam as melhores do mundo, desde que lutem pelo que querem e sejam exigentes.
– Dão-lhes liberdade para que possam errar sozinhas ou tentam prevenir o erro?
– Tentamos aconselhar e controlar algumas tendências. Estamos a viver a fase da adolescência com a Carlota, a Caetana é a seguir, e agora têm comportamentos de teenagers.
Mafalda – Acham que sabem tudo, nós nunca temos razão! Nessa altura é que temos mesmo de os deixar errar, para que aprendam com os seus erros. Já as ouvimos dizer, depois de fazerem como queriam, que nós é que tínhamos razão, e quando isso se torna frequente, dão mais ouvidos ao que dizemos e aos nossos conselhos.
Leia esta entrevista na íntegra na edição 1139 da revista CARAS.
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play

VEJA O VÍDEO DE 'MAKING OF' DESTA SESSÃO FOTOGRÁFICA:

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras