Nas Bancas

Fernando Santos duplamente premiado em noite de gala

O anfitrião da Gala dos Globos de Ouro, Francisco Pinto Balsemão, anunciou Fernando Santos como um “homem que parece ter como palavra de honra vencer” e “consegue construir a convergência de objetivos”.

CARAS
30 de maio de 2017, 16:30

Quase um ano depois de ter garantido a primeira vitória de Portugal num Europeu de Futebol, Fernando Santos, de 62 anos, viveu no Coliseu dos Recreios mais um momento memorável. Depois de ter subido ao palco a meio da Gala para receber o Globo de Melhor Treinador Desportivo – que, sem falsa modéstia, confessou não o ter surpreendido –, o selecionador nacional não estava à espera de ali regressar para receber o galardão de maior prestígio da noite: o Globo de Mérito e Excelência, que anualmente distingue uma personalidade cuja carreira ou obra têm tido especial relevo em Portugal e que Francisco Pinto Balsemão, presidente da Impresa, faz questão de entregar, a encerrar esta grande festa.
Aplaudido de pé pelo público, aquele que no meio do futebol todos tratam respeitosamente por mister, voltou a chegar-se à boca do palco para mais um discurso de agradecimento, este já de improviso, mas nem por isso menos bem articulado. “Está-me a apetecer chorar. É demasiado forte”, começou por dizer, antes de agradecer à família, que considera “o suporte” da sua vida. “Isto é vosso, é muito mais vosso do que meu”, afirmou, interpelando diretamente a mulher, Guilhermina, com quem está casado há 38 anos, e o filho, Luís, ambos sentados na plateia, antes de se dirigir a todos os portugueses, os que estavam sentados à sua frente e os que estavam em casa a vê-lo pela SIC, e confidenciar, divertido: “A vocês, queria dizer-vos uma coisa: não me importava nada de voltar aqui em 2019!”
Já nos bastidores, Fernando Santos, que o ano passado foi reconhecido como Melhor Selecionador do Mundo pela IFFHS - Federação Internacional de História e Estatísticas do Futebol e venceu o troféu de Treinador do Ano nos Globe Soccer Awards, declarou à CARAS que receber o Globo de Mérito é, em simultâneo, “um orgulho, uma honra e uma responsabilidade. Porque não é só uma questão das vitórias no futebol, é mais pessoal, é o reconhecimento de quem sou e da minha forma de estar. Por isso o dediquei à minha família, que é o meu suporte”.
Não deixando de reconhecer que “os prémios têm sempre significado – seria humildade a mais dizer que não”, o mister tem a noção de que “a glória é sempre vã” e por isso garante que não deixa que ela o inebrie. Em contrapartida, frisa, com simplicidade: “O meu grande prémio é aquele que me acontece na rua, é a forma carinhosa como os portugueses me tratam.”
Responsável técnico pela Seleção Nacional desde 2014, Fernando Santos está, na verdade, habituado ao sabor da vitória desde há longos anos e nunca se tornou arrogante por isso. Depois de uma discreta carreira como jogador no Benfica, de que é adepto e sócio, estreou-se como treinador no Estoril Praia em 1986. Em 1994 mudou-se para o Estrela da Amadora, conseguindo os melhores resultados de sempre na história do clube. Isso valeu-lhe o convite, em 1998, para treinar o Futebol Clube do Porto, com o qual conquistou o penta, e onde ficou até 2001. Passou também pelo Sporting, pelo Benfica e por vários clubes gregos até que, em 2010, foi convidado para treinar a Seleção Grega, que no Euro 2012 consegui chegar aos quartos de final. Quatro anos depois, substituiu Paulo Bento à frente da Seleção Nacional, que se qualificou para o Europeu de 2016 em primeiro lugar no seu grupo. E num campeonato que nem sequer começou bem, conseguiu manter o moral da equipa sempre elevado, conquistando o ambicionado título a 10 de julho no Stade de France, num jogo contra França que o consagrou como herói nacional.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras