Nas Bancas

Teresa Tavares admite: "Sou uma rebelde com causas"

A atriz revela ser uma mulher livre e independente, que luta diariamente pelos seus ideais.

Marta Mesquita
6 de maio de 2017, 12:00

Na peça Júlia, em cena no São Luiz Teatro Municipal, Teresa Tavares explora a intimidade entre um homem e uma mulher, pondo todas as suas vulnerabilidades a nu e deixando “cair todas as máscaras”, como admite. E é com esta vontade de ser cada vez mais autêntica que a atriz procura viver todos os dias. Amante da liberdade, Teresa é, aos 34 anos, uma mulher que acredita em si e nos seus projetos, mas que continua a pôr tudo em causa e a não dar nada por garantido. Não gosta de amarras e faz do mundo o seu palco de eleição. Contudo, as asas nunca a levam para muito longe do seu ninho, aquele para o qual volta depois de dar corpo e alma às suas personagens. Numa conversa fluida e descontraída, Teresa viajou pelo seu universo interior e partilhou o seu lado mais rebelde e independente, no qual cabem ainda todos os sonhos do mundo.
– Subir ao palco com esta personagem era um sonho antigo.
Teresa Tavares
– Sim! Desde os tempos do Conservatório que queria fazer esta personagem. Montámos a peça a partir do Miss Julie, de [ August] Strindberg, um texto do qual gosto muito. É uma peça que explora esta dinâmica entre homem e mulher e que aborda questões como o desejo e o poder. Tudo acontece numa só noite. É uma espécie de vertigem num espaço claustrofóbico. É um universo muito íntimo e o público vai ficar com a sensação de que está a olhar pelo buraco da fechadura para aquelas pessoas.
– E a Teresa, enquanto mulher, também vive intensamente as suas relações?
– Esta questão dos jogos entre relações é muito humana e não precisamos de nos referir apenas a relações românticas. Dou tudo de mim a esta personagem. Quis deixar cair todas as máscaras e ficar ali da forma mais crua possível. Esse foi o meu maior desafio. Gosto de ir a jogo todos os dias.
– Na vida também deixa “cair todas as máscaras”, mesmo que assim exponha algumas das suas vulnerabilidades?
– Não tenho medo de expor as minhas vulnerabilidades. E como atriz não há outra forma de trabalhar. Na vida também procuro essa autenticidade. Mas também tenho algumas reservas... Por exemplo, gosto de ir para casa e de estar com os meus amigos. Esse é o universo onde me sinto mais segura. Gosto de ficar nesse meu mundo.
Leia esta entrevista na íntegra na edição 1134 da revista CARAS.
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play
Vídeo de 'making of' da sessão fotográfica que acompanha a entrevista:

Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras