Nas Bancas

Depois de ter sido agredida, Luísa Beirão tenta recuperar o sorriso

Uma violenta discussão com o ex-namorado, Ricardo Simões, terminou com a ex-manequim, de 39 anos, a ser levada pelo INEM para o Hospital de São José, onde foi submetida a diversos exames.

Cláudia Alegria
14 de abril de 2017, 10:00

Há cerca de duas semanas, Luísa Beirão passou por um verdadeiro inferno e, ao que tudo indica, este estará longe de chegar ao fim. No dia 28 de março, a ex-manequim – que em dezembro último assumiu estar separada de Ricardo Simões, com quem manteve uma relação durante cerca de um ano e meio – terá sido confrontada com o ex-namorado a entrar na casa onde viviam, em Lisboa, para retirar os seus bens. A violenta discussão e os gritos levaram Luísa Beirão, de 39 anos, a pedir a intervenção da polícia, alegando que estava a ser vítima de violência doméstica. Ao chegar a casa da manequim, as autoridades depararam-se com um cenário de grande tensão entre os dois e Luísa terá mostrado marcas de agressão.
Dois dias mais tarde, na madrugada de 30 de março, por volta das 6h30 da manhã, o empresário regressou a casa da ex-namorada para, uma vez mais, tentar retirar os seus bens. A discussão terá sido de tal ordem violenta que a polícia acabou por ser novamente contactada, tanto pela manequim como por alguns vizinhos. Chegados ao local, os agentes da autoridade foram confrontados com novas marcas de agressão na manequim e terão chamado o INEM, que a transportou de ambulância até ao Hospital de São José, onde deu entrada por volta das 8h00 da manhã.
Naquela unidade de saúde, Luísa foi submetida a diversos exames – segundo o Correio da Manhã, a manequim terá feito duas TAC, ao crânio e à boca, e radiografias à coluna e ao tórax – sendo depois vista no serviço de Cirurgia Maxilo-Facial.
Contactado pela nossa revista, Hélio Bernardino, diretor da Elite Lisbon, agência que representa a manequim, confirmou que Luísa Beirão esteve sob observação no Hospital de São José devido aos ferimentos e hematomas que apresentava na cara, mas nega que esta tenha ficado hospitalizada ou que tenha ficado com o rosto desfigurado, como chegou a ser noticiado.
Entretanto, em declarações ao Correio da Manhã, Ricardo Simões negou ter batido na ex-namorada. “A Luísa partiu para cima de mim e tive de a agarrar. Não sei se ficou com algumas
nódoas negras, mas eu não lhe bati
”, afirmou o empresário, que terá pedido uma ordem de restrição que impeça a ex-manequim de se aproximar de si e da sua filha, Verónica, de 14 anos.
À revista Flash, por seu turno, Ricardo Simões garantiu que não pretende fazer mais declarações sobre este tema: “Lamentavelmente, o meu nome tem aparecido na praça pública com acusações e insinuações que falham integralmente a verdade, violando o meu nome e o meu carácter. Por respeito e proteção à minha filha e aos filhos da Luísa, não vou interceder na esfera mediática para me defender e repor a verdade. Irei fazê-lo apenas pelas vias legais.” Luísa Beirão, que se remeteu ao silêncio desde que o assunto se tornou público, também só deverá falar com as entidades competentes. Uma vez que a violência doméstica – que engloba violência física ou psíquica, reiterada ou esporádica – é um crime público, será o Ministério Público a promover o processo-crime. Por ser uma figura mediática, a ex-manequim terá, portanto, não só que lidar com este processo, já de si delicado, mas também com a exposição pública do mesmo.
Esta não é a primeira vez que Luísa Beirão vê uma relação terminar na barra dos tribunais. Em 2012, um ano depois de se ter divorciado do pai dos seus filhos, Miguel Pedrosa, com quem foi casada 11 anos, a ex-manequim moveu um processo contra o ex-futebolista, acusando-o de violência doméstica e exigindo-lhe uma indemnização de 20 mil euros. Na altura, Luísa revelou que as agressões (empurrões, puxões de cabelo, estalos e pontapés) começaram em 2006 e se prolongaram até ao final do casamento. Os factos não foram provados e Miguel Pedrosa acabou por ser absolvido.
Mais tarde, Luísa refez a sua vida amorosa ao lado de Filipe Gomes, mas o namoro de três anos terminou com a manequim a interpor uma providência cautelar que impedia o empresário de se aproximar e si e dos filhos.
Agora, a manequim parece estar a viver o mesmo pesadelo, mas, junto dos filhos, que considera o seu pilar, encontrará certamente forças para seguir em frente e recuperar o sorriso.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras