Nas Bancas

Marta Pereira da Costa fala sobre o namoro com Rui Veloso: “Tem-me feito muito bem”

Apesar de não gostar de expor a sua vida privada, a guitarrista contou que vive dias felizes junto de Rui Veloso e que este a tem apoiado bastante na preparação do concerto que vai dar a 31 de maio.

Andreia Cardinali
2 de abril de 2017, 16:00

Marta Pereira da Costa nunca quis que a sua vida privada se tornasse mais conhecida do que o seu trabalho. Assim, foi com algum incómodo que viu tornar-se pública a sua relação com o músico Rui Veloso. Para acabar com as especulações, a guitarrista, de 34 anos, decidiu falar sobre o tema, assumir o namoro, contar como está feliz e como se sente satisfeita com esta nova fase, na qual os filhos, Constança e Vicente, de sete anos, fruto do casamento com o fadista Rodrigo Costa Félix, se enquadram com naturalidade.
– Nas últimas semanas a sua vida pessoal tem estado exposta nas revistas graças à relação com o Rui Veloso. Como tem lidado com isso?
Marta Pereira da Costa –
É muito difícil, não estava de todo preparada e fiquei em choque com a primeira notícia que saiu. A partir daí choveram notícias e telefonemas. Entrei em pânico, porque não queria expor a minha vida pessoal. Já na altura do Rodrigo tentávamos ter algum cuidado com isso, mas de uma forma mais descontraída, porque a visibilidade de um Rui Veloso é totalmente diferente. Não me sinto muito bem com isso... Acho que posso dar a conhecer o meu lado profissional, mas o pessoal é isso mesmo, pessoal.
– Foi o Rui que ajudou a perceber que não há como ‘fugir’?
Também. Ele também não gosta de expor a vida pessoal, mas era inevitável que se tornasse assunto. Sabíamos que mais tarde ou mais cedo iria acontecer.
– E como está a viver esta nova fase amorosa?
Acima de tudo, estou muito feliz, não estava de todo à espera... É uma relação improvável, mas que tem sido ótima e me tem feito muito bem. Estamos ambos bastante bem e queremos proteger isso ao máximo.
– Porquê improvável quando fazem ambos parte do mundo da música?
Já nos conhecemos há anos, ele sempre me ajudou imenso e esteve atento a tudo o que eu fazia e acho que nem um nem outro alguma vez pensou nessa hipótese. Aconteceu com muita naturalidade e fomos vivendo um dia de cada vez. Desde que estejamos bem, está tudo certo.
– Uma das coisas que também tem sido notícia é a vossa diferença de idade, 25 anos, mas já o seu ex-marido é dez anos mais velho...
Isso não é importante, tem é de haver uma ligação de feitios, maneira de ser, gostos e partilhas. Isso nunca me preocupou, mas claro que não gosto da maneira como vão escrevendo as notícias. Mas não vou deixar que isso me afete, não quero saber... Quero ler o mínimo possível sobre isso.
– E os seus filhos leram alguma coisa, ouviram comentários na escola?
Acho que não. Para já não têm noção e espero que assim continue.
– Mas já sabem ou ainda é cedo?
Sabem, sim, e adoram-no. E isso é um descanso.
– Com um concerto em maio, estas notícias têm prejudicado o lado profissional?
Não, antes pelo contrário. Tenho-me focado ainda mais nisso. Estou com imensos concertos e projetos para este ano e quis mesmo alhear-me de tudo e marcar muitos ensaios. Estou a tratar do meu grande concerto, dia 31 de maio no Tivoli. Vou ter grandes convidados, como a Dulce Pontes, o Hélder Moutinho, o Rui Veloso, o Pedro Jóia e estou a preparar os arranjos, a ensaiar e a gerir muita coisa ao mesmo tempo.
– Como vai ser partilhar o palco com o Rui?
Estou em pânico [risos]. Ele diz que tem de ensaiar muito bem o palco, mas claro que vai correr muito bem. Tocar com ele deixa-me naturalmente nervosa. Já o fizemos de improviso, há uns tempos, numa casa de fados, e eu atrapalhei-me toda porque estava nervosíssima. Mas agora vai ser uma coisa mais controlada.
– O facto de o Rui também ser músico ajuda a entender esta fase de dedicação total...
Claro. É bom partilhar com alguém que conheça e já tenha passado por isso. Ele tem muita experiência e entende todas as minhas angústias e ansiedades.
– O Rui tem dado opiniões para este concerto ou prefere preparar tudo sozinha?
Gosto de ouvir opiniões e peço-lhe ajuda a ele, como peço aos elementos da banda e à Dulce Pontes. Espero fazer o melhor concerto possível. Ele tem visto alinhamentos, dado sugestões e tem-me acompanhado nos concertos, por isso, é importante tê-lo ao meu lado.
– Como é que conciliam dois espíritos artísticos?
Eu faço o meu caminho e ele faz o dele e são totalmente diferentes. Ele está sempre a incentivar-me a tocar mais, improvisar, e é muito bom ter alguém a puxar por mim.
– Espera que agora que assumiu tudo possam ficar mais tranquilos para namorar à vontade?
Não sei se não será pior... Ele sofre bastante pela visibilidade que tem e não pode ir a qualquer sítio. Temos tido muito cuidado e até abdicamos de sair para não sentirmos olhares desconfortáveis. Com a visibilidade da relação, acho que até poderá ser pior. Logo se vê como corre...

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras