Nas Bancas

Maria Guedes: "Achei que ia ser 'designer', mas tinha mais jeito para ir às compras"

A autora do blogue 'Stylista' foi convidada para fazer o terceiro fascículo da iniciativa 'Extreme Makeover by CARAS'.

Vanessa Bento
1 de abril de 2017, 16:00

Há um equilíbrio e uma subtileza quase etéreos que caracterizam Maria Guedes. Mas para lá destas características está uma força da natureza que agarra os muitos projetos que a preenchem com a vontade de vencer, primando sempre pelo belo e pela qualidade. Esses projetos passam quase todos pela moda, área que a fascina desde criança, e que a levou até Nova Iorque, onde estudou na Parsons School of Design. Mas a vontade de estar perto da família e dos amigos, e de ter tempo para si e para os seus, levou-a a trocar a cidade que nunca dorme por Lisboa. E foi aqui que deu os primeiros passos como blogger, com o seu Stylista, e que encontrou o seu espaço para poder crescer profissionalmente. Hoje dita tendências e é, por isso mesmo, a responsável pelo terceiro e último fascículo do Extreme Makeover by CARAS.
Foi também em Portugal que Maria Guedes construiu a sua própria família e encontrou o amor que a preenche ao lado de Miguel Herédia, de quem tem dois filhos, Manuel, de cinco anos, e Pia, de quase dois.
– Qual é o primeiro passo para uma mudança de visual e de estilo?
Maria Guedes – O primeiro passo é arrumar o armário. Ao separar as roupas que usamos e que adoramos – e nos favorecem – das que nunca usamos, estamos a encontrar, por via da eliminação, o nosso estilo pessoal. As roupas de que gostamos verdadeiramente, que são perfeitas para o nosso estilo de vida e que são uma extensão natural da nossa personalidade, representam o nosso estilo real, sem tendências nem modas. Pensarmos nesta seleção como ponto de partida é fundamental para melhorar o nosso estilo, às vezes diluído na quantidade de roupa que temos.
– Que conselhos pode dar a quem não tem muito poder de compra, mas quer apostar no seu estilo?
– Básicos de qualidade. Sempre! Uma dúzia de básicos em cores lisas são o suficiente para se construir um sem fim de opções, sempre de forma elegante.
– Quando é que percebeu que este era o seu caminho?
– Percebi cedo que o meu caminho estava ligado à moda – adoro fazer ilustração de moda, desde miúda – e sempre gostei muito de acompanhar tendências. Achei que ia ser designer, mas afinal tinha mais jeito para ir às compras [risos]. Em adolescente arranjava empregos para poder comprar as roupas de que gostava e quando me vi imersa num disparate de coisas que acabava por não usar, comecei a ser mais exigente comigo e com o meu comportamento nesta área. É obrigatória esta consciência pessoal e social. É importante editar e é imprescindível pensar na pertinência de cada peça de roupa antes de comprar. Desta aprendizagem, que ainda hoje decorre, veio a partilha deste hábito e uma vontade de ajudar quem por vezes parecia não saber por onde começar. No meu trabalho, no blog Stylista, dou diariamente sugestões de compras, não para promover um consumo descontrolado, mas sim para dar ideias a quem quer fazer aquisições mais certeiras.
– Que mulher é hoje depois do nascimento do Manuel e da Pia?
– Mais feliz! Mais simples, mais focada e menos complicada. Igualmente trabalhadora, sonhadora e criativa. Bastante mais apaixonada.
Leia esta entrevista na íntegra na edição 1129 da revista CARAS.
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play
Vídeo de 'making of' da sessão fotográfica que acompanha a entrevista:

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras