Nas Bancas

Mia Rose regressa a Nova Iorque: “Foi nesta cidade que começou o maior sonho da minha vida”

A CARAS acompanhou a cantora nesta viagem emotiva.

Cristiana Rodrigues
20 de março de 2017, 11:32

Pedimos um táxi no Soho. Direção: 7.ª Avenida com a Rua 58, a dois passos do Central Park. Damos música ao trajeto. Mack The Knife é a banda sonora que Mia Rose, de 29 anos, escolhe para esta viagem e, ao mesmo tempo que conversamos, vai acompanhando o tom de Bobby Darin. À medida que nos aproximamos do destino, a cantora, que viajou para Nova Iorque a convite da Tresemmé e é uma das caras do canal daquela marca, Love the Hair, vai ficando com lágrimas nos olhos. É muita emoção. Estamos a caminho da casa onde viveu há uma década. E voltar ao sítio onde foi tão feliz deixa-a sem palavras. Enquanto procuramos o prédio, Mia Rose – Maria Antónia Teixeira Rosa é o nome com que foi batizada – recorda como foi ali que teve início um sonho no mundo da música, depois de, por brincadeira, ter colocado no Youtube uns vídeos seus a fazer karaoke que tiveram sucesso imediato, levando-a a ser convidada por duas produtoras de música multinacionais, uma delas a Universal, com a qual acabaria por assinar um contrato de sete meses. Tempo suficente para Mia, ilha de pai inglês e mãe portuguesa, saber que ia interromper o curso de jornalismo, que a música era a sua vida e que lidava mal com as saudades da família. E é quando falamos em saudades que nos transportamos para a atualidade, porque nestes cinco dias de agitação na Big Apple, onde assistiu, pela primeira vez, a alguns desfiles da semana da moda, Mia Rose verbalizou a falta que sentiu do namorado, Miguel Cristovinho, dos D.A.M.A, de quem está noiva.
Sobre o casamento, a cantora pouco adianta, porque nem ela sabe muitos pormenores, mas confessa, emocionada, que tem pena que a avó materna já não esteja para a ver subir ao altar. Nesta altura, já estamos a caminho do aeroporto JF Kennedy para regressar a Portugal e a gravação ultrapassa em largos minutos o que aqui pode ser descrito. Vamos, então, recuperar excertos da conversa.
– Esta viagem tem sido preenchida de emoções...
Mia Rose –
Se tem! E esse é o meu lado português [risos]! Vivo tudo com emoção...
– Ficou bem visível quando chegámos à porta da casa onde viveu há dez anos...
Foi inacreditável! Como deu para ver, até chorei. Esta vinda fez-me reviver toda a experiência que tive aqui. Foi nesta cidade que começou o maior sonho da minha vida. Até hoje, nunca voltei a sentir isso. Era tão nova, tão ingénua, que foi uma sensação que guardo com muita ternura.
– Tinha 19 anos. Pode ter sido muito gratificante, mas também deve ter sido muito duro...
Foi duro, sim, mas mais em termos emocionais. Porque eu estava a trabalhar com tanta veracidade e paixão que o lado negativo de tudo passava-me ao lado. Depois, todos os dias eram preenchidos com gravações. Só quando a crise económica de 2007 atingiu os Estados Unidos, e as produtoras musicais também foram afetadas, é que o meu projeto ficou em pausa.
– Foi um sonho que ficou meio interrompido?
Os meus vídeos estavam a bater o milhão de visualizações num mês e eu decidi que não ia deixar os meus fãs à espera e resolvi regressar a Portugal. Confiei no meu instinto e hoje aqui estou, dez anos depois, a fazer aquilo de que gosto, prestes a lançar o meu primeiro álbum e a acreditar que com dedicação ainda vou conseguir uma carreira internacional.
Leia esta entrevista na íntegra na edição 1127 da revista CARAS.
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras