Nas Bancas

Anne Hathaway fala sobre o casamento: "eu preciso do meu marido"

A atriz revela que o marido Adam Shulman trouxe uma nova dimensão para a sua vida.

CARAS
16 de março de 2017, 12:25

Na edição da revista norte-americana 'Elle', Anne Hathaway reflete sobre o marido e o casamento de quatro anos.

"Ele mudou a minha capacidade de estar confortável no mundo", diz. "Acho que a narrativa aceita agora é que nós, mulheres, não precisamos de ninguém. Mas eu preciso do meu marido. O seu amor único mudou-me."

Na entrevista, a atriz fala também sobre passar os próximos quatro anos como Embaixadora da Boa Vontade das Nações Unidas na defesa pela licença parental paga nos Estados Unidos, e diz que ter o seu filho, Jonathan Rosebanks, foi o que lhe deu vontade de se envolver.

"Nem consigo acreditar que ainda não temos [licença parental paga]" disse Hathaway. "Quando o Johnny tinha uma semana e eu o segurava e estava em êxtase, de repente pensei 'a culpa da mãe é um absurdo inventado.' Somos encorajados a julgar-nos mutuamente, mas devíamos focar-nos nas pessoas e instituições que deviam apoiar-nos e neste momento não apoiam."

Recentemente, a atriz partilhou a primeira foto do bebé de quase um ano nas redes sociais depois do seu discurso para as Nações Unidas sobre a licença parental no dia Internacional da Mulher. Os Estados Unidos oferecem às mães 12 semanas de licença não paga. "De alguma forma é esperado que regressemos ao trabalho normalmente em menos de três meses, sem rendimentos", disse no discurso.

Ainda na mesma entrevista, Anne Hathaway fala sobre outro assunto importante para si - a desigualdade de géneros em Hollywood. A atriz participa na versão feminina de 'Ocean's 8', o que a fez perceber como se sentia diferente no estúdio rodeada de mulheres pela primeira vez.

"Hollywood não é um lugar de igualdade. Não digo isso com raiva ou julgamento, é um facto estatístico. E mesmo que já tenha estado em alguns filmes centrados em mulheres, nunca estive num filme como este. Este torna-te alerta para as formas como inconscientemente mudas para encaixar em certos cenários."

"Não é melhor nem pior, nem certo ou errado", clarifica. "Mas há certas coisas que percebes sobre os outros pelas experiências que têm em comum... provavelmente é fácil para os homens tomarem isso como garantido. Apenas estar num cenário onde eu sou quem tem essa facilidade é realmente alguma coisa. É uma boa alternativa à narrativa."

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras