Nas Bancas

Jimmy Kimmel ironiza Trump na abertura dos Óscares

O apresentador da noite abriu a noite com várias criticas a Donald Trump

CARAS
27 de fevereiro de 2017, 09:18

Já se esperava que a 89ª edição dos Óscares tivesse uma enorme marca política. E Jimmy Kimmel fez as honras da casa com o discurso de abertura da cerimónia, onde lançou várias critícas ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. "Gostava de agradecer ao presidente Donald Trump. Lembram-se no ano passado quando parecia que os Óscares eram racistas? Isso já foi, graças a ele. Foi um ano maravilhoso para os filmes. Os negros salvaram a NASA e os brancos salvaram o Jazz. Isto é o que nós chamamos de progresso", começou por dizer o apresentador.

"Esta cerimónia está a ser vista por milhões de americanos e, em todo o mundo, são 235 países que agora nos odeiam, e acho que é uma coisa incrível". O apresentador falou também sobre o assunto dos imigrantes nos Estados Unidos e acerca da relação 'tremida' que o presidente tem com a imprensa americana. "Se trabalhas na CNN, ou LA, ou New York Times, ou qualquer coisa com a palavra Times, eu gostaria de pedir para abandonares a cerimónia agora. Não temos tolerância para para notícias falsas, mas sim notícias [não] falsas.", ironizou Jimmy.

E claro que Meryl Streep foi chamada ao assunto, já que é a atriz "sobrestimada" de Donald Trump. O apresentador pediu a Meryl para se levantar e disse "juntem-se a mim por favor para lhe [Meryl Streep] dar um merecido aplauso. Pelas atuações pouco inspiradoras e sobrestimadas."

Logo depois do discurso de Jimmy Kimmel, a anterior anfitriã da cerimónia dos Óscares, Ellen Degeneres, fez um tweet com a sua aprovação às palavras de Kimmel. Acrescentou ainda que "este trabalho é teu para a vida".

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras