Nas Bancas

Maria João Ibérico Nogueira: “Não há dietas milagrosas”

Nutricionista acaba de lançar o livro ‘Dietas à Sua Medida’, no qual disponibiliza quatro regimes alimentares para que cada um escolha o seu.

Cláudia Alegria
19 de fevereiro de 2017, 14:00

O gosto pelas artes, nomea­damente pelo cinema e pela literatura, levou Maria João Ibérico Nogueira a inscrever-se no curso de Ciências da Comunicação. Tinha acabado de chegar de Bruxelas, onde vivia com os pais, e, estando sozinha, foi ‘obrigada’ a começar a preparar as suas próprias refeições. Rapidamente chegou a duas conclusões: não só estava no curso errado, como tinha que parar de comer tudo o que gostava, pois começou a engordar. Procurou a ajuda de uma nutricionista, começou a interessar-se pelo tema, e acabou por se inscrever num segundo curso, Ciências da Nutrição. Hoje, aos 35 anos, a sobrinha do cirurgião Francisco Ibérico Nogueira sente-se realizada ao tentar ajudar os seus pacientes a alcançar os objetivos a que se propõem, tal como nos contou a nutricionista, que acaba de lançar o livro Dieta à Sua Medida.
– ­Como é que faz quando vai jantar fora com amigos?
É horrível, toda a gente olha para o que um nutricionista come. Estamos a ser constantemente observados [risos].
– Não pode prevaricar em público?
Posso, porque temos a teoria de que não existem alimentos proibidos. Se for pontualmente, não é grave. Agora, não faria sentido nenhum um nutricionista comer croissants com chocolate todos os dias... Sim, tenho cuidado com a alimentação. Muitas vezes olham para mim na consulta e dizem-me que, como sou magrinha, posso comer tudo o que quiser, mas não é verdade. Sou magra porque tenho, de facto, cuidado. Se comer todas as coisas de que gosto, e infelizmente as coisas que gosto são doces, engordava. Tanto que engordei quando vim para Portugal. Em casa dos meus pais comia peixe, sopa e legumes. Quando comecei a preparar as minhas próprias refeições, eu, que nunca tinha tido problemas de peso, deixei de caber nas calças porque só comia o que mais gostava: hambúrgueres, pizas e batatas fritas, coisas boas mas hipercalóricas.

Leia esta entrevista completa na edição 1123 da revista CARAS:
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras