Nas Bancas

José Jorge Letria: "Se me privassem do uso da palavra, privavam-me de mim próprio"

‘Grandes Histórias de Amor - O Livro dos Amantes’ é o novo livro do escritor. “Surpreende-me a intemporalidade e a validade absoluta do amor”, admite.

Vanessa Bento
19 de fevereiro de 2017, 10:00

Aos 65 anos, José Jorge Letria nunca se sentou para ler tudo o que já escreveu. A urgência de passar para o papel o que tem para dizer e contar fá-lo caminhar incessantemente para o que ainda não foi feito e para a palavra que falta escrever. Esta noção da escassez de tempo, que não se traduz, contudo, na falta de vida e de experiências, pese embora nunca tenha gozado um período integral de férias, como nos confidenciou, tornam-no num escritor único. E nós fomos testemunhas desta excecionalidade, durante uma manhã em que partilhou connosco palavras e emoções a pretexto do seu novo livro, Grandes Histórias de Amor - O Livro dos Amantes.
- O amor continua a ser a maior fonte de inspiração?
José Jorge Letria -
Sempre! Sabe que o amor que nos motiva, que nos impulsiona, que nos transforma é sempre uma interrupção das rotinas que nos vulgarizam. Quando o impulso é o amor, olhamos o mundo com outra ansiedade e expetativa. Quando o amor se instala, mesmo numa situação trágica e desfavorável, faz com que queiramos viver mais e que gostemos mais do mundo e da diferença.
- No momento que vivemos hoje, onde o ódio e o preconceito se proliferam quase com validação, este livro pode ser um ponto de luz?
- Colocou-me a questão central. Quando somos confrontados com o imperativo do ódio, por via de forças políticas que conquistam o poder e proclamam tudo o que é inimigo da liberdade, da alegria, do consenso e do júbilo estamos exatamente a declarar a urgência deste amor. Porque quando o ódio nos cerca, a única forma de o combater é através do amor. Do amor que não levanta o punho para agredir, do amor que não põe o dedo no gatilho, do amor que, no fundo, usa tudo aquilo que é emotivo, sensível e fugaz e, ao mesmo tempo, sendo fugaz, se torna eterno. Não tenho dúvidas de que este é um livro oportuno e de emergência, contra o ódio e contra o medo.
- E a sua escrita provém do amor?
- A escrita é, seguramente, o grande amor da minha vida. Confesso que me atemoriza a hipótese macabra de um dia não poder escrever. Os escritores como eu, com esta pluralidade de escrita, escrevem sempre contra a morte. A morte é imprevisível e às vezes insondável. Quando se escreve, deixamos o rasto da obra e nela a nossa essência. Por isso é que acho que o autor é sempre quem mais combate, não necessariamente o medo da morte - não tenho medo da morte - mas a sua inevitabilidade.
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play

Veja o vídeo de 'making of' da sessão fotográfica:

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras