Nas Bancas

Ryan Gosling: Um tipo ‘cool’ e um profissional exemplar

O protagonista de “La La Land”, nomeado para os Óscares, parece manter os pés bem assentes na terra.

Ana Oliveira
17 de fevereiro de 2017, 13:00

A representação chegou cedo à vida do canadiano Ryan Gosling, de 36 anos, que nunca pensou sequer fazer outra coisa na vida: aos 12 anos já fazia parte do elenco fixo do programa de televisão da Disney The Mickey Mouse Club, onde foi colega de Justin Timberlake, Christina Aguilera e Britney Spears. A vocação despertou na pré-adolescência, época em que foi expulso da escola na sequência de uma perigosa brincadeira com facas, inspirada num dos filmes da saga Rambo. Quando recentemente lhe perguntaram porque que é que estava tão zangado que resolveu levar para a escola um conjunto de facas que atirou aos colegas, respondeu que não estava zangado, mas que simplesmente “ainda estava no filme”. O episódio valeu-lhe um ano de aulas em casa – com a mãe, secretária de profissão, já que o pai trabalhava como caixeiro-viajante – e o rótulo de criança hiperativa e com défice de atenção. Foi precisamente nessa altura que um tio começou a fazer um espetáculo em que imitava Elvis Presley e tanto Gosling como a irmã, Mandi, se juntaram à performance. “De repente, foi como se se tivesse aberto uma porta”, recorda o ator, que passou a fazer espetáculos musicais com frequência em parceria com a irmã.
A entrada para uma escola de representação e artes em Ontário, cidade onde vivia, tornou-se a escolha mais óbvia e o sucesso no casting para o já referido programa da Disney abriu-lhe as portas de Los Angeles. O resto é uma história clássica em Hollywood: papéis diversos em séries de televisão, depois alguns filmes, até que um deles lhe deu a fama. Concretamente, O Diário da Nossa Paixão, que fez em 2004. Dois anos depois receberia a primeira nomeação para os Óscares, com Half Nelson. Os filmes Risco Duplo, Nos Idos de Março, Bons Rapazes ou A Queda de Wall Street são alguns dos seus trabalhos mais relevantes. E agora está nomeado para o Óscar de Melhor Ator, pelo desempenho no filme-sensação do ano, La La Land – Melodia de Amor. Curiosamente, e apesar de ter tido um percurso que aparenta ter sido fácil, revela que muitos dos castings frustrantes por que passa a personagem de Emma Stone no filme, uma aspirante a atriz, são inspirados na sua própria experiência. Mas garante que as rejeições em nada o traumatizaram. “Podia ser pior. É só o teu ego, é apenas embaraçoso e humilhante. Não é como se fossemos cirurgiões e falhar pudesse significar a morte de alguém”, argumenta, com ar cool. E é isso que Gosling parece ser hoje em dia: um tipo fleumático e de pés assentes na terra, uma celebridade contida e inteligente nas entrevistas, onde nunca diz mais do que quer nem deixa devassar a sua vida privada. Durante algum tempo nem se soube os nomes das duas filhas que tem com a também atriz Eva Mendes, Esmeralda, de dois anos, e Amada, que faz um ano em abril, embora confesse, sem hesitações, que “ser pai foi a melhor coisa que me aconteceu na vida” e que formar uma família acabou com todos os sentimentos de solidão.
Igualmente rendido à profissão que escolheu, hesita em encontrar-lhe aspetos negativos: “Sinto-me afortunado por fazer o que gosto. Não posso mesmo queixar-me de nada.” Por isso se dedica a cem por cento. Basta referir que em três meses aprendeu a tocar piano para fazer o pianista de jazz de La La Land. E diz, com o ar mais sério deste mundo, que o feito está ao alcance de todos. Basta praticar.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras