Nas Bancas

O novo Ângelo Rodrigues: “Estou com um espírito nómada perante a vida”

Há um ano, o ator decidiu que estava na altura de mudar. Hoje, aos 29, diz que está no bom caminho e que se sente mais feliz na sua pele.

Andreia Cardinali
12 de fevereiro de 2017, 16:00

Terminadas as férias em Lisboa que lhe permitiram matar saudades da família e dos amigos depois de uma longa temporada no Brasil, Ângelo Rodrigues prepara-se para partir em viagem com a irmã. Antes, marcou encontro com a CARAS. De sorriso rasgado e uma simpatia extrema, o ator contou que está de bem com a vida e que sente que finalmente se encontrou. Despretensioso e cada vez mais preocupado com o interior, Ângelo referiu que a aventura que tem vivido no Brasil e o mês de voluntariado que fez em Moçambique, com a organização não-governamental de ajuda humanitária Helpo, foram fundamentais na busca do seu ‘eu’.
Separado de Iva Domingues desde maio do ano passado, o ator admite que esta sua necessidade de mudança pode ter influenciado o fim da sua relação.
– Estas férias de Natal foram prolongadas...
Ângelo Rodrigues –
Sim, ainda estão a ser. Foi muito bom, porque já não estava com a minha família há muitos meses. Apesar de ser um filho ‘desnaturado’, é bom que eles ainda se lembrem de mim [risos]. Acho que ganhei alguns créditos [risos].
– E já vai partir outra vez...
Sim, vou atravessar a China de comboio e vou ao Tibete. É a primeira viagem que faço com a minha irmã e acho que vai ser giro. Vamos ver se corre bem ou se nos matamos um ao outro [risos].
– As viagens são uma constante na sua vida.
Sim, sempre que posso. Sempre tive um desejo inato de viajar e conhecer o mundo. Acho que vou à procura disso. Gosto de me desligar das coisas materiais e de viver experiências que me arrebatam e com as quais ganhe alguma coisa. Substituir a riqueza material pela espiritual.
– E depois, o que se segue?
Vou regressar a Lisboa para fazer a segunda temporada da série da RTP Ministério do Tempo. É o que me vai ocupar nos próximos meses.
– E o Brasil, onde fica?
Vou estando entre cá e lá. Tenho feito alguma formação lá para melhorar a minha pronúncia carioca e tem sido muito bom lá estar. Conheço outros profissionais da área, outras formas de trabalhar, outros métodos e, acima de tudo, o Brasil tem-me ajudado a tornar-me uma pessoa menos reservada, tímida e introvertida. Quero acreditar que o Brasil me tem ensinado muita coisa.
– A crescer, até?
Completamente. Mas é um processo solitário... Começa-se do zero, há que fazer uma nova rede de contactos, amigos novos e isso obriga-me a desenvencilhar-me de uma forma diferente do que se estivesse no meu próprio país e na minha zona de conforto. Ganhei um grande respeito pelos emigrantes, porque senti na pele o que eles sentem.
– Estar solteiro ajudou nesse enriquecimento, já que acabou por ter mais tempo para si?
Deu para me voltar a apaixonar-me por mim e a orgulhar-me da pessoa em que me quero tornar, tenho trabalhado arduamente para isso.
Leia esta entrevista na íntegra na edição 1122 da revista CARAS.
Assinatura Digital
Apple Store
Google Play

Vídeo de 'making of' da sessão fotográfica que acompanha a entrevista:

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras