Nas Bancas

0.jpg

Pedro Jorge Melo

Manuel Maria Carrilho acusa Bárbara Guimarães de agredir e ameaçar o filho

Manuel Maria Carrilho falou pela primeira vez em tribunal, para se defender das acusações de violência doméstica que lhe são imputadas, e para mostrar a sua versão dos acontecimentos. Durante mais de seis horas, o antigo ministro riu, chorou e atacou Bárbara Guimarães acusando-a, entre outras coisas, de ser cobarde, hipócrita, má mãe, má filha, descompensada e alcóolica.

Vanessa Bento
7 de fevereiro de 2017, 17:40

Há um ano que decorre em tribunal o processo em que Bárbara Guimarães acusa o ex-marido, Manuel Maria Carrilho, de violência doméstica. Depois de ouvida a apresentadora e dezenas de testemunhas, Carrilho decidiu falar pela primeira vez em tribunal esta segunda-feira, dia 6. Garantiu que é inocente e que foi vítima de um plano urdido pela ex-mulher para lhe roubar tudo. Bárbara não quis assistir e saiu da sala.
“Decidi este fim de semana que iria falar hoje. (...) Estou absolutamente inocente das acusações que me fazem. Nunca agredi ou insultei, física ou psicologicamente, a minha ex-mulher. Fui alvejado pelas costas a frio no seguimento de um plano”, defende Carrilho, argumentando que nada fazia prever o que aconteceu depois da célebre ida a Paris, em outubro de 2013, em que, ao regressar, foi impedido de entrar em casa. “Desde que cheguei de Paris, nunca mais falei com a Bárbara, mãe dos meus filhos. Ela nunca mais me dirigiu a palavra nem respondeu a um único email. A título de exemplo, a Bárbara mandou-me a Carlota com varicela sem uma única informação e, mais grave, sem medicação. (...) Tentei tudo, mas ela queria criar um muro e uma personagem que nunca existiu em 65 anos de vida.(...) Foi a Bárbara que começou esta guerra pública. (...) Imagine-se o que é ser acusado de violência doméstica pela própria mulher. Isto é uma bomba atómica. Nunca toquei na Bárbara. Amparei-a muitas vezes quando ela não se segurava nas pernas. (...) Acho de um cinismo inultrapassável quando ela diz que nunca disse mal do pai dos filhos. O que é que se pode dizer de pior de um pai do que ele é um agressor?”
No seguimento deste seu discurso, e sempre apoiado por várias folhas repletas de notas escritas à mão, Manuel Maria Carrilho decidiu ler um email que escreveu à ex-mulher, no dia 24 de outubro de 2013, como resposta a um anterior que Bárbara lhe tinha enviado, no dia 23, onde o acusava de maus tratos físicos e psicológicos e de ameças de morte. "A tua carta faz pena. Só te quero lembrar que todos, mas mesmo todos os problemas dos últimos seis meses têm exclusivamente a ver com o teu desatino recorrente da tua crescente dependência alcóolica, testemunhado em inúmeras circunstâncias, por tanta gente, tanto em privado como em público. E que tantas vezes, nomeadamente quando circulavas ébria na estrada, puseste em risco a segurança e vida dos nossos filhos. Houve, é certo, muitas agressões. Mas foram sempre autoagressões. Autoagressões de uma pessoa obcecada pela idade, pelo impacto do seu aspeto físico, com os cinco implantes de silicone que colocaste, a celulite com que lidas em permanência e a dezena de comprimidos que tomas por dia. (...) Procurei sempre contrariar esse caminho devastador para ti e para a família. (...) Mas o que fizeste, de um modo traiçoeiro e cobarde, não tem perdão. (...) Como os nossos familiares e amigos sabem, foi por mim que os nossos filhos sempre chamaram para lhes dar a bela papa ao pequeno-almoço e para os deitar. Sempre, sem exceção. E é absolutamente ridículo tentar agora inventar histórias de faca e alguidar".
Prosseguindo com a sua defesa, o arguido afirmou que “fiz tudo para salvar a Bárbara do que estava a acontecer”, e que o desenlace se deveu a três motivos: “Primeiro, o alcoolismo crescente. No último ano [a Bárbara] tinha-se tornado dependente do álcool. Bebia uma a duas garrafas de vinho branco sozinha. Eu bebia um copo, por amor à Bárbara, era o copo da simpatia. (...) Segundo, o charme da política. Ela adorava a vida social da política, as mordomias da vida de embaixador, o motorista, o mordomo, a empregada... Não queria de todo que me viesse embora de Paris. E o corte com as mordomias de Paris coincide com o nascimento da Carlota, uma criança que a Bárbara desejou muito, mas que foi um bebé muito difícil. Achei que com o meu regresso as coisas seriam mais fáceis para a Bárbara. (...) Tenho uma relação muito próxima com os meus filhos. De resto, sempre fui eu que fiz tudo com o Dinis, que o ensinei a escrever, a andar de bicicleta. Tanto assim é que quando o Dinis voltou a viver comigo, no ano passado, me disse: ‘pai, estou outra vez no meu mundo’. Terceiro motivo: estratégia para deitar a mão a tudo. Fiquei sem nada! Sem mulher, sem filhos, sem casa, sem trabalho, sem a minha biblioteca... Tudo me foi roubado! (...) As três semanas em que não vi os meus filhos foram um horror.”
Neste depoimento, Carrilho acusou ainda a ex-mulher de agredir o filho. “Três meses depois do divórcio, já a mãe o ameaçava, já ele me mandava mensagens de socorro. O Dinis passou horrores. É muito bom menino, com muita resistência. A mãe era super carinhosa (...), foi uma surpresa para ele quando o começou a espancar. (...) Espancava-o sempre que ele falava em ir morar comigo. (...) O Dinis vive hoje comigo e todas as suas notas têm melhorado. Recuperou a sua felicidade, o seu bem-estar”. O antigo ministro disse, ainda, não poder "tolerar que digam que agredi a mãe à frente dos filhos. Isso é uma monstruosidade insuportuável. Não sei se os meus filhos alguma vez perdoarão isto à mãe. Dizem que só os santos e as crianças perdoam o imperdoável".
Já no decorrer do interrogatório do Ministério Público, Carrilho disse que não tentava evitar que Bárbara Guimarães saísse sozinha e de carro com os filhos, mesmo afirmando que muitas vezes conduzia embriagada. "O meu quotidiano não era falar com ela sobre o álcool. Ela sabia o que eu pensava sobre o assunto", atirou, fazendo questão de sublinhar mais à frente: "Seria incapaz de viver com uma pessoa que se quisesse divorciar de mim".

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras