Nas Bancas

João Paulo Rodrigues, o verdadeiro ‘one man show’

Apesar de ter uma vida profissional muito preenchida, o apresentador e comediante consegue ser um pai presente para Rita, de seis anos, e Sofia, de cinco meses.

CARAS
29 de janeiro de 2017, 14:00

Encontrámos João Paulo Rodrigues, de 38 anos, todo ‘compostinho’, num fato cinza impecavelmente engomado. Contudo, a viola que tem ao colo e o sorriso aberto que oferece a quem com ele se cruza desconstroem qualquer formalidade, pondo em evidência o apresentador espontâneo, brincalhão e divertido que se vê todos os dias ao lado de Júlia Pinheiro, no programa Queridas Manhãs. Mas o homem que tem sempre uma piada pronta também é, como admite, “muito tímido” e “envergonhado”, mostrando-se surpreendido sempre que é abordado na rua. Sem qualquer tique de vedetismo, o apresentador faz questão de continuar bem preso às suas raízes, levando todos os fins de semana, juntamente com o seu parceiro e amigo Pedro Alves, os seus espetáculos de comédia a todos os cantos do país. A par da apresentação e do humor, João Paulo também se dedica à música, alimentando o sonho de tocar com a sua banda, a um curso de Direito e a outro de piloto comercial, tendo ainda tempo na sua agenda para praticar desporto e queda livre.
Para conseguir ser o ‘homem dos sete ofícios’, o apresentador e comediante tem contado com o apoio incondicional da mulher, Juliana Marto, com quem tem duas filhas, Rita, de seis anos, e Sofia, de cinco meses.
Atualmente conduz, ao lado de Cláudia Vieira, o novo programa da SIC Agarra a Música, que estreou no passado dia 15 e conversou com a CARAS sobre os seus vários papéis profissionais e a forma como perspetiva a sua carreira. Apesar de não gostar de falar sobre o homem que é todos os dias, o protagonista desta entrevista deixou, por momentos, a sua timidez de lado e mostrou também o seu “eu” mais emotivo e privado, aquele que poucos conhecem.
– No seu novo programa concilia dois grandes amores: a apresentação e a música. É o desafio ideal para si…
João Paulo Rodrigues – Sim, é. O programa é sobre música, mas eu não canto… Mas espero que lá para o meio me ponham a cantar! E à Cláudia [Vieira] também! [risos] Estou muito entusiasmado por trabalharmos juntos. A Cláudia é uma excelente pessoa e tenho a certeza de que nos vamos dar bem neste desafio.
– E é um programa que passa em horário nobre. Isso causa-lhe alguma ansiedade?
– O domingo à noite é o horário nobre por excelência. Obviamente que as audiências estão sempre presentes naquilo que faço. Contudo, não são a minha principal preocupação. O importante é conseguir ser quem sou: uma pessoa divertida e espontânea. A Júlia [Pinheiro] ensinou-me que cada programa novo é um osso cheio de carne para roer. O outro osso já foi e agora temos de tratar deste. O meu objetivo é divertir-me e conseguir divertir o público. E se isso se refletir em audiências, ainda melhor.
– Da rádio e das bandas de garagem para os programas mais populares da televisão foi um grande salto. Como olha para o seu percurso profissional?
– Não tenho dúvidas de que tive muita sorte. Mas também trabalho muito e aproveitei sempre as oportunidades. Acredito que a sorte acontece quando a preparação encontra a oportunidade. Também me cruzei com as pessoas certas e caí nas graças do público. Grande parte do meu sucesso deve-se às pessoas. Contudo, no meio disto tudo, nunca deixei de ser a pessoa que sou. Por isso é que é tão importante para mim continuar com o Pedro [Alves] na estrada a fazer os nossos espetáculos. Foi isso que me trouxe até aqui e é algo que acaba por ser terapêutico. Durante duas horas digo o que quero, o que me ajuda a eliminar o cansaço que acumulo durante a semana.
– Apresenta um programa diário e outro aos domingos à noite, tem os seus espetáculos de comédia, já deu o salto para o cinema e ainda se dedica à música. Precisa de fazer tudo isto para se sentir realizado?
– Preciso. Em tudo o que faço, acabo por dar o que sou aos outros. São formas diferentes, mas complementares, de comunicar. Se nos espetáculos de comédia sou extrovertido e digo o que me vem à cabeça, na apresentação aprendi a ser um pouco mais contido e a falar sobre temas sérios, o que me faz igualmente bem. Sou uma pessoa muito tímida e sempre me escondi um bocadinho atrás das minhas piadas. O humor protege-me. A música é a minha grande paixão, a seguir às minhas filhas! Vou lançando no meu site e no meu canal de Youtube os meus temas e as pessoas vão conhecendo. Estou a criar reportório para pegar na minha banda e ir para a estrada. Um amigo meu que é psicólogo diz que, provavelmente, sou um hiperativo não diagnosticado. Tenho sempre de inventar coisas para fazer. É assim que sou feliz.
– Para conseguir fazer tudo isto, precisa de ter um grande apoio em casa...
– Sim. A Juliana deu-me a estabilidade emocional de que precisava para alcançar mais coisas na vida. Tinha mesmo de ter uma mulher como ela ao meu lado para me dar toda a liberdade de que preciso. Obviamente que a minha vida familiar sai beliscada, porque passo muito tempo fora de casa. Mas a Juliana é uma grande mulher e tem muita paciência. Se tivesse ao meu lado alguém que exigisse mais de mim, provavelmente não teria chegado onde cheguei. Ou então já não estaria casado. A minha mulher deixa-me ser quem sou. Sou um espírito livre e preciso de ter mundo. Qualquer dia ela manda-me embora! Mas, por enquanto, ainda me atura.
– E a sua filha mais velha, lida bem com as suas ausências?
– Apesar de trabalhar muito, consigo estar todos os dias com a minha família. A Ritinha não me cobra nada. A frase que ela mais ouve é: “Já te disse que te amo hoje?” As minhas filhas são o que de mais importante tenho na vida.
– Entre as obrigações profissionais e familiares, faz questão de ter tempo para si e para os seus hobbies, como o desporto. Esses momentos são também ‘terapêuticos’?
– Esses momentos são essenciais para a minha higiene mental. Preciso de ter esses escapes, em que estou sozinho e não penso em mais nada. Gosto muito de estar sozinho. Lido bem com a minha própria companhia.
– Há muitas pessoas que conhecem o João Paulo de todos os dias? Ou reserva-se para os mais próximos?
– Sou uma pessoa fechada e não gosto de grandes festarolas. Sou muito envergonhado e há pessoas que não percebem isso e pensam que tenho a mania que sou uma estrela. Quando sou abordado na rua fico sem jeito, porque acho que ninguém me conhece. Também não gosto muito de falar sobre mim…
– Para terminarmos, 2017 vai ser o ano de…
– ...muitas surpresas. O meu projeto com o Pedro vai de vento em popa e tenho um novo filme que vai estrear no próximo Natal. Provavelmente, vou também começar os espetáculos ao vivo com a minha banda. Há coisas na minha vida pessoal que quero mudar. São alguns aspetos da minha personalidade que tenho de trabalhar. Sinto que nos próximos anos vou terminar um ciclo e começar um novo.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras