Nas Bancas

2.jpg

DR

Morreu Rui Santana Brito

O velório do ex-vice-diretor da Cinemateca Portuguesa realiza-se hoje na Igreja do Campo Grande.

Divulgação
26 de janeiro de 2017, 15:29

Morreu ontem, 25 de Janeiro, Rui Santana Brito, ex-vice-diretor da Cinemateca Portuguesa, que fez parte da direção dirigida por João Bénard da Costa. Além da sua atividade na Cinemateca, Rui Santana Brito foi também tradutor, vertendo para a língua portuguesa obras da literatura de língua inglesa, francesa e italiana.
Manteve com a Guerra e Paz editores uma relação permanente, desde a fundação da editora em 2006, tendo traduzido obras como a monumental História de Juliette ou as Prosperidades do Vício, do Marquês de Sade, ou o complexo Rei Jesus, de Robert Graves. Traduziu também O Livro dos Snobs, de W. M. Thackeray, Os Meus Primeiros Anos, de Winston Churchill, o controverso Os Intelectuais, de Paul Johnson, e O Triunfo do Ocidente, de Rodney Stark.
Mais recentemente, traduziu títulos contemporâneos, como As Pessoas Felizes Lêem e Bebem Café, de Agnès-Martin Lugand, e À Espera de Bojangles, de Olivier Bourdeaut. Para os clássicos da Guerra e Paz, Rui Santana Brito deixa-nos as excelentes traduções de O Principezinho, de Antoine de Saint-Exupéry, A Ilha do Tesouro, R. L. Stevenson, e O Retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde. Tinha entre mãos a tradução de O Vermelho e o Negro, de Stendhal, que deixa quase terminada.
O velório terá lugar na Igreja do Campo Grande, hoje, a partir das 17 horas. A missa de corpo presente realiza-se amanhã, dia 27, às 17h30, seguindo o funeral o crematório do cemitério do Alto de São João.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras