Nas Bancas

Especial Mário Soares: O Nome Mais internacional da Política Portuguesa do seu tempo

Os conhecimentos internacionais valeram-lhe o convite para a pasta dos Negócios Estrangeiros no pós-25 de Abril.

CARAS
26 de janeiro de 2017, 16:55

Com uma atividade política nacional e internacional que se estendeu por mais de 70 anos – fosse na linha da frente ou nos bastidores, na oposição ou na governação, como ministro, primeiro-ministro, Presidente da República, eurodeputado, vice-presidente da Internacional Socialista ou membro de inúmeras outras organizações internacionais, entre elas o Comité Promotor do Contrato Mundial da Água –, Mário Soares, um comunicador nato que sabia fazer charme como ninguém, conheceu todo o tipo de pessoas, nos quatro cantos do mundo: gente do bem e do mal, da guerra e da paz, ricos e pobres, monarcas e republicanos, operários, soldados e camponeses, religiosos e ateus, nomes pequenos e grandes das letras, das artes plásticas, do espetáculo, da ciência, da finança.
Quando, em 1973, fundou o PS, na Alemanha, Soares já estava exilado em França há três anos. Estabelecera, entretanto, contactos com líderes socialistas e sociais democratas da maior parte dos países da Europa, tornando-se próximo, sobretudo, do francês François Mitterrand, do alemão Willy Brandt, do sueco Olof Palme, do italiano Pietro Nenni, e tinha conseguido, em 72, que a Internacional Socialista reconhecesse o movimento que criara em 64, a Acção Socialista Portuguesa.
Esses conhecimentos valeram-lhe, no regresso a Portugal, após o 25 de Abril, que a Junta de Salvação Nacional o incumbisse de viajar por vários países da Europa para conseguir o reconhecimento diplomático do novo regime. E, em seguida, o convite para assumir a pasta dos Negócios Estrangeiros nos I, II e III Governos Provisórios.
Depois da vitória do PS nas primeiras eleições livres, realizadas em 1976, Soares tornou-se primeiro-ministro. E logo no ano seguinte começou a trabalhar no pedido de adesão de Portugal à CEE, que seria concluído com a assinatura do Tratado de Adesão, em junho de 85, quando dirigia o IX Governo Constitucional.
Eleito à segunda volta nas Presidenciais de 1986, dedicar-se-ia, nos seus dois mandatos, a consolidar a imagem de Portugal no mundo, efetuando inúmeras visitas oficiais e participando em diversas cimeiras de chefes de Estado. E a sua vocação internacional reafirmar-se-ia ainda no Parlamento Europeu, onde foi deputado de 1999 a 2004.
No seu primeiro discurso como chefe de Estado, Soares assumiu-se, a partir desse momento, como o Presidente de todos os portugueses. Palavras conciliadoras que não aplanaram as inimizades. Que também não lhe faltaram. Afinal, qual o político que não as coleciona?

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras