Nas Bancas

2016-12-13-4-Mario-Soares-1984.jpg

Mundo das artes recorda Mário Soares

Morte do antigo Presidente da República comentada por famosos nas redes sociais.

CARAS
8 de janeiro de 2017, 14:46

Mário Soares morreu este sábado, 7 de janeiro, aos 92 anos. O antigo Presidente da República estava internado no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa, desde dia 13 de dezembro.
Nas redes sociais, e em declarações à agência Lusa, foram várias as figuras públicas que o recordaram. Leia alguns testemunhos.
Manuel Luís Goucha, apresentador de televisão: “A ele devemos a Democracia em que vivemos, tendo sido o seu primeiro Presidente da República civil. Nenhum outro político tem um percurso como o seu. Disputou onze eleições, ganhando seis (constituinte, duas legislativas, duas presidenciais e europeias). Amante da Cultura e da Liberdade só podia ser um homem sem medo. Obrigado Presidente Soares!”.
Rita Ferro Rodrigues, apresentadora de televisão: “Muito Obrigada Mário Soares”.
Cristina Ferreira, apresentadora de televisão: “A minha primeira memória política é da campanha eleitoral entre Mário Soares e Freitas do Amaral. Há 30 anos. ‘Soares é fixe’”.
Nuno Markl, animador de rádio: “Mário Soares, num ‘cartoon político’ desenhado por mim em 1976. O facto de um puto de 5 anos saber quem ele era - bem como outros rostos da política da época que surgiam nos meus desenhos ao lado de Heidi e Vickie, como Álvaro Cunhal, Ramalho Eanes ou Sá Carneiro, mostra - à parte do que pensássemos dele, politicamente - a estirpe de figura que era, um entre vários animais políticos, à esquerda e à direita, cujo carisma tende a ser difícil de colocar à mesma altura de muitos "carismas" de hoje. Em minha casa não era o político mais popular - o meu pai, militante do PCP, foi dos que engoliu o sapo de ter de votar nele em 1986, e o que isso lhe custou. A parte gira disto tudo é que pude contar isso ao próprio Soares, quando, num almoço com o Nuno Artur Silva, há poucos anos, encontrámos o antigo Presidente, já algo debilitado mas com o sentido de humor afiado, a almoçar no Páteo Bagatella. Em retribuição pela história do sapo engolido, recebi um belo fait divers dos bastidores do Bloco Central: contava Mário Soares que a mania que partilhava com o seu amigo social democrata e parceiro de governo Mota Pinto - descalçarem os sapatos em reuniões magnas - acabava por vezes com ambos a irem para casa com os sapatos errados. Nunca votei nele, não me revia em muita coisa - mas é um dos incontornáveis e únicos da História”.
Luís Franco Bastos, humorista: “Em 2010 fiz este sketch imitando Mário Soares. Um sketch que nunca aconteceria se Mário Soares e outros não lutassem pela democracia e liberdade de expressão que temos actualmente e me permitem fazer do humor profissão. No dia de hoje, partilhar este sketch é a melhor homenagem que lhe posso fazer”.
Herman José, humorista e apresentador de televisão: “Morreu um Homem Maior e o político a quem mais atenções devo. Há poucos anos ainda teve a generosidade de prefaciar a minha biografia. A seu devido tempo, acalmadas as histerias e saradas as feridas, a História saberá dar o devido valor à figura política mais importante do século XX em Portugal. Soares é - e será sempre – fixe”.
Eduardo Madeira, humorista: “Ainda tinha tanto para dar. Não é bem uma piada. É uma constatação. Quem neste país tem agora a sua experiência como estadista e político? Fez muita porcaria? Sim. Fez muita coisa boa? Também. A política não é uma escola de virtudes. Foi decisivo para a democracia em Portugal. É o que eu realço. Descansa em paz Mário”.
Diogo Beja, animador de rádio: “Sr. Guarda, desapareça. Começou a Presidência aberta eterna”.
Daniel Oliveira, apresentador de televisão e diretor do canal SIC CARAS: “Entrevistei Mário Soares em 2007 por altura do 25 de Abril, para o Só Visto!, da RTP. O Nuno Santos convenceu-o que apesar do interlocutor não ser o Daniel Oliveira que ele conhecia, valia a pena a deslocação a um estúdio, onde também estariam algumas crianças que o questionariam sobre a Revolução, sem que ele, todavia, não deixasse de me sussurrar que aquelas perguntas com certeza que vinham dos pais! Foi durante todo o tempo de uma grande gentileza, apesar de ter advertido para o facto de o entrevistador não usar gravata. Foi uma conversa que extravasou o âmbito que a viabilizara e percorreu toda uma vida pessoal, pública e política a todos os níveis assinalável e relevante na história do país! Não é consensual, como não o é nenhuma pessoa que decide, mas independentemente do que dele diverjamos, podermos fazê-lo abertamente também a ele lhe devemos. Na altura, como agora, fi-lo credor do meu obrigado”.
Lourdes Norberto, atriz: "Era um homem de bondade, de convívio, e sempre preocupado com os outros. "Estava sempre a perguntar se estava a trabalhar, o que estava a fazer, e se estava parada. Ocasionalmente, incentiva-me e dizia: 'Mas a Lourdes tem de trabalhar'".
Raquel Henriques da Silva, historiadora de arte e museóloga: "Ele era um homem de cultura e gostava de se afirmar enquanto tal, tinha genuíno prazer nas coisas, tinha boa pintura, alguma de amigos, também resultante de ofertas, e que lhe enchia as casas. Ele não era um colecionador no sentido tradicional, não era um profundo conhecedor, mas tudo o que era cultura interessava-lhe".
Mário Cláudio, escritor: "Trata-se de uma figura histórica. Sem ele a nossa democracia não se teria consolidado. A entrada na Europa provavelmente teria sido uma coisa completamente diferente, ou em momento diferente. Neste momento, faz parte do nosso património anímico, do nosso ADN coletivo".
Leonel Moura, artista plástico: “O pai da democracia portuguesa, que abriu a porta da política à cultura, e à importância das artes".
Julião Sarmento, artista plástico: "Foi um grande impulsionador das artes plásticas e da literatura. Gostava muito da coleção de arte que reuniu ao longo da vida, e tinha muito orgulho nela".
Rui Veloso, músico: “Mário Soares foi, provavelmente, a maior figura da democracia portuguesa. Homem de cultura e visão. Recordo bem os idos do PREC [Período Revolucionário em Curso] em que foi o catalisador. Devemos-lhe a democracia depois de 25 de novembro [de 1975]".
José de Guimarães, artista plástico: "Sendo uma notícia que já todos esperávamos, é sempre triste, e há pessoas que nos são mais chegadas que outras, e Mário Soares foi sempre, para mim, uma pessoa excecional, com grande afeição pelos artistas e, sempre que podia, aparecia nas exposições. Não era artificial e ia diretamente à alma".
Nuno Teixeira, realizador: “Mário Soares foi a pessoa de que o país precisava nos anos quentes da revolução, e esteve sempre à altura dos acontecimentos. Conseguiu, com o seu prestígio, com a sua inteligência, manter o país no lado correto da vida. Manter o país no lado da democracia e da liberdade. O grande objetivo da vida dele era a liberdade".

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras