Nas Bancas

Carrie Fisher: Urna em forma de comprimido antidepressivo

Irmão garante que era dos objetos preferidos da atriz.

CARAS
8 de janeiro de 2017, 17:02

Dizer que os restos mortais de Carrie Fisher repousam num recipiente original é pouco. A atriz, que morreu no passado dia 27, aos 60 anos, e após sofrer um ataque cardíaco, era conhecida por amigos e colegas de profissão com uma pessoa extremamente bem-disposta e com um enorme sentido de humor, pelo que na hora de despedida o seu irmão, Todd Fisher, fez questão de também dar um toque humorístico ao momento triste. Como tal, a urna escolhida para colocar as suas cinzas tem a forma de um comprimido Prozac, um antidepressivo associado à sua doença bipolar. “Era uma antiguidade de porcelana dos anos 50 e dos bens mais queridos pela Carrie. Ela comprou-o há muitos anos, adorava-o e tinha-o lá em casa. Não encontrámos nada mais apropriado. A Carrie gostaria que assim fosse, tenho a certeza. Afinal era o seu objeto preferido”, explicou o irmão da artista ao The Hollywood Reporter.
Recorde-se que Carrie Fisher sempre falou abertamente sobre a doença bipolar, que lhe foi diagnosticada aos 24 anos. "Eu sou mentalmente doente. Posso dizer isso. Não tenho vergonha. Sobrevivi a isso e continuo a sobreviver”, disse em entrevista.
A estrela da trilogia inicial da saga A Guerra das Estrelas – vestia a pele de princesa Leia – morreu um dia antes da mãe, a também atriz Debbie Reynolds, de 84 anos. O funeral foi conjunto, mas para já foi reservado apenas aos mais próximos. “Haverá um funeral maior, mais para a frente, para o público e todos os outros amigos. Este foi privado, familiar, nós precisávamos disso”, adiantou ainda Todd Fisher, que organizou as cerimónias fúnebres com a sobrinha, Billie Lourd.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras