Nas Bancas

Mariana Pacheco: “Gosto muito de ser senhora do meu nariz, adoro ser livre”

Apaixonada pela música e pela representação, Mariana quer conciliar estes dois mundos. Continuar a representar boas personagens e lançar um disco são dois dos seus grandes objetivos.

Marta Mesquita
31 de dezembro de 2016, 14:00

Em frente ao Castelo da CARAS, no Crato, Mariana Pacheco, de 24 anos, parece uma princesa guerreira, posando confiante e altiva com um look roqueiro. E se a descrição de princesa até pode não ser a que melhor a define, a de guerreira encaixa-se na perfeição. Com vontade de descobrir o mundo, a atriz saiu de casa aos 18 anos. Queria saber, como confessa, “como é que as coisas funcionavam no mundo dos adultos.” Começou a pagar as suas contas e a ter responsabilidades, descobrindo o que custa a vida. Contudo, também passou a gerir o seu tempo e a ser dona e senhora das suas decisões, sendo esta a conquista mais reveladora do seu caráter e da sua forma de estar na vida.
Não obstante esta sua independência, Mariana continua a ter na mãe, como assegura, a sua “melhor amiga e confidente”, encontrando nela o colo onde acalma as fragilidades e medos que teimam em abalar a sua confiança. Mas, mais ou menos segura, é sempre com paixão e com uma entrega total que a atriz representa, sobretudo quando se aventura em novos palcos, como acontece atualmente com a participação no musical Quase Normal, em cena no Casino Estoril.
Apesar de ser muito discreta no que toca à vida privada, Mariana revelou à CARAS algumas das escolhas que fez na vida e que foram determinantes para hoje ser uma mulher realizada e feliz.
– Esta produção poderia contar a história de uma princesa no seu castelo. É um papel que lhe assenta bem ou não tem nada a ver consigo?
Mariana Pacheco
– Não tem nada a ver comigo, pelo menos no dia-a-dia. Contudo, de vez em quando também gosto de me sentir uma princesa, sobretudo quando tenho uma equipa a tratar de mim e a pôr-me bonita.
– A Mariana já assumiu ser livre e independente. Também é rebelde ou é uma menina mais certinha do que aparenta ser?
– Na adolescência fui rebelde, agora já não. Gosto muito de ser senhora do meu nariz, adoro ser livre e independente. Ser livre é das melhores sensações que podemos ter, não abdicaria disso por nada. Adoro saber tomar conta de mim e desenrascar-me sozinha. Gosto de seguir com a minha vida, sabendo que sou completamente livre.
– E foi difícil chegar aqui?
– É algo que fui conquistando. Não mudei a minha vida de um dia para o outro. Sempre quis sair de casa cedo, porque só assim poderia perceber como é que as coisas funcionavam no mundo dos adultos, nomeadamente pagar despesas, ter responsabilidades e tarefas. Aos 18 anos saí de casa, mas contei sempre com o apoio da minha mãe.
– Sente que a liberdade po­de custar de­masia­do caro?
– Acho que sim, mas continuo a acreditar que a nossa liberdade compensa todos os riscos que possamos correr. Neste processo, acabamos por nos deparar com situações complicadas de gerir, como não termos tempo para fazermos tudo o que queremos ou não termos dinheiro para alguma coisa. Há que fazer opções, o que acontece a todas as pessoas que controlam a sua própria vida.
– A Ma­riana já tinha trabalhado em televisão, antes da novela da SIC Coração d’ Ouro, mas esta acabou por representar uma grande viragem na sua vida. Como lida com o mediatismo e com as expectativas que agora estão depositadas na sua carreira?
– A minha vida não mudou drasticamente. Continuei a dar-me com as mesmas pessoas e não mudei a minha essência. Sou mais abordada na rua, é verdade, mas sei lidar muito bem com isso. Tive mais destaque nesta novela e aprendi muito como atriz. Foi nesta novela que me apaixonei completamente pela representação e adquiri a confiança que ainda não sentia. Tinha medos em relação a muitas coisas… Tinha medo de falhar e de não corresponder às expectativas dos que acreditaram em mim. E ainda preciso de acreditar mais em mim e nas minhas capacidades. Não posso deixar que a insegurança me controle. O que mudou foi apenas esta perceção daquilo que posso melhorar enquanto atriz.
– Essas inseguranças podem revelar tendência para o perfecionismo…
– Não sei se sou perfecionista, porque nesta área não queremos alcançar o que é perfeito e sim o que é verdadeiro. São coisas diferentes. Sou muito exigente comigo própria e gosto que puxem por mim, o que é essencial para me superar. E agora que faço um musical, o que procuro sempre é encontrar uma verdade, acreditando no que estou a fazer para que o público acredite também.
– Por falar no musical: para quem canta desde criança e se apaixonou pela representação, esta deve ser a forma de arte que melhor exprime a artista que é...
– Estou a descobrir muitas coisas novas com este musical. Estou a adorar a experiência, tem sido muito intensa. Estamos a fazer algo no momento e há uma adrenalina muito maior. Os nervos também estão à flor da pele e isso vai melhorando com a experiência. Adoro conjugar música e representação. E acho que estamos todos a fazer um excelente trabalho.
– No seu dia-a-dia também tem as emoções à flor da pele?
– Sim, sou muito emotiva. A emoção leva sempre a melhor e não quero mudar isso em mim. Nunca me arrependi de ser tão emocional. Acredito que o coração deve sempre ganhar.
– Mas gosta de guardar essas emoções para si...
– Sim, sou muito reservada em relação à minha vida privada. Esse lado é só meu.
– Os seus pais separaram-se e a Mariana foi criada pela sua mãe. Isso tornou-vos muito próximas? Que relação têm hoje?
– Sim, temos uma relação muito próxima. A minha mãe é a minha melhor amiga e confidente, é a primeira pessoa que procuro para contar as coisas boas ou más. É ela que me ajuda e me dá segurança nos momentos mais vulneráveis. É a melhor mãe do mundo. E desde que me tornei independente, a nossa relação melhorou. Agora, ela vê-me mais como uma mulher e como uma amiga com quem também pode partilhar as suas coisas.
Produção: Patrícia Pinto | Maquilhagem: Sofia Queirós

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras