Nas Bancas

Família Silva Reis reúne-se numa das suas quintas para celebrar o Natal

Rosa Maria Silva Reis e os três filhos, Pedro, Manuel e Raquel, receberam a CARAS na Quinta de Cidrô, no Douro.

André Barata
24 de dezembro de 2016, 19:00

Mesmo para quem passa ao longe, é impossível ficar indiferente à força que emana da Quinta de Cidrô. A história que cruza esta propriedade com a família Silva Reis remonta a 1960, quando Manuel Silva Reis, já falecido, decidiu adquirir a Real Companhia Velha. Hoje, a família prossegue o negócio, que espelha uma união transversal às várias gerações, como pudemos observar neste dia de reunião familiar que juntou a matriarca, Rosa Maria, de 84 anos, os três filhos desta e respetivos núcleos familiares: Pedro, a sua mulher, Francisca Dória, e o filho, Pedro; Manuel com a filha, Maria Beatriz; e Raquel com o marido, Gastão Mendes, e os dois filhos, Vasco e Raquel.
Depois das fotos em conjunto, foi a Pedro, irmão do meio, que coube o papel de porta-voz, descrevendo o trajeto desta empresa familiar e identificando os valores pelos quais se regem.
– Este é um projeto que começou muito antes da vossa existência..
Pedro Silva Reis – Exata­mente. O meu pai assumiu a Real Companhia Velha em 1960, que celebra este ano o seu 260.º aniversário. Já era proprietário da Quinta das Carvalhas e depois, em 1972, adquiriu esta quinta.
– Com uma empresa com 260 anos, imagino que tenham na vossa posse alguns documentos preciosos...
– O espólio da Companhia contempla, atrever-me-ia a dizer, a história do vinho do Porto, entre 1756 e 1834, quando a companhia funcionou como a Companhia Majestática, o órgão regulador da produção e do comércio de vinho do Porto. É mais que uma empresa, é um pedaço da história do norte de Portugal e muito da intervenção do Marquês de Pombal na produção de vinho do Porto, ao fundar a própria companhia, que começou por ter como primeira missão a demarcação do Douro, a primeira região demarcada do mundo, um conceito inovador.
– Hoje, tanto o Pedro como os seus irmãos trabalham na empresa. Foi sempre essa a vossa vontade?
– Nós já nascemos formatados, o meu pai sempre nos puxou para isto. Nunca nos passou pela cabeça fazer outra coisa. É um negócio que tem um lado emocional muito grande. Passámos uma boa parte da nossa infância por estas quintas, por conseguinte, sempre tivemos uma ligação muito grande à terra e ao Douro.
– E que funções desempenha cada um de vocês na empresa?
– Trabalhamos todos juntos na administração. Eu ocupo-me mais do controlo de gestão, o meu irmão da parte comercial, e a minha irmã das relações-públicas.
– Se todos tinham vontade de seguir este caminho, deverá ser fácil trabalhar em família…
– Embora tenhamos personalidades muito diferentes, somos muito unidos como irmãos, temos uma empresa verdadeiramente familiar. Como todos os irmãos, temos tendências para divergir [risos], mas conseguimos entender-nos, porque os objetivos são sempre para o melhor da empresa. Sermos três torna tudo mais fácil, porque nunca há empates [risos].
– Hoje também já contam com mais um membro da família a trabalhar na empresa…
– É verdade. Da geração vindoura, temos já um no ativo, o meu filho Pedro, mas já está outro na calha, o Vasco, filho da Raquel. O normal é que façam uma experiência profissional fora, depois vão ingressando.
– Apesar de todos os incentivos, os vossos filhos poderiam não querer seguir o negócio da família. Temiam que isso acontecesse?
– Por um lado, é uma grande satisfação que eles se interessem, por outro, uma empresa familiar tem de ser disciplinada. Deve entrar quem se interessa, for capaz e mostrar empenho. Não entram na empresa só por ser da família, isso é um mau critério.
– Atualmente, são proprietários de cinco quintas. Com o panorama nacional atual, é um negócio que se ressente?
– O negócio do vinho sofre como todos os outros. Nesta última crise, talvez tenhamos sofrido menos que outros setores, na medida em que temos uma componente de exportação muito grande. O vinho do Porto foi sempre, desde os primórdios, um vinho de exportação. O vinho do Douro, até há pouco tempo, tinha uma exportação mais pequena, mas tem vindo a crescer e hoje o modelo de negócio é bastante equilibrado. O vinho do Porto tem ajudado a abrir portas ao do Douro, por ser uma marca consagrada, com presença em todo o mundo.
– Falando sobre esta época do ano: porque escolheram, de entre as cinco vinhas que têm, esta para passar o Natal?
– Este nosso Natal, de 2016, no Cidrô, é um pouco uma homenagem ao nosso pai, numa altura em que a Real Companhia Velha celebra 260 anos. Tem um peso muito grande no legado que ele nos deixou, quer por toda a inovação, pela viticultura que aqui se pratica, quer pela reforma da casa e todo o empenho pessoal e carinho que ele tinha por esta propriedade. Achámos que passar aqui este Natal seria uma boa escolha, porque a memória dele aqui está muito presente, talvez mais do que em qualquer outra quinta.
– Com uma família tão numerosa, é complicado reunir todos no Natal, ou fazem questão de manter essa tradição?
– Cada vez é mais difícil, porque os mais novos hoje já cresceram e têm interesses diferentes. A nossa mãe é o polo centralizador, é ela que faz o elo de ligação, que é muito importante para manter o core da família. Felizmente está de muito boa saúde e tem um papel dinâmico a agregar a família. Hoje já não se atreve a cozinhar, mas gosta de ser orientadora, de manter vivas todas as tradições de que gosta, e isso faz com que esteja sempre atenta a tudo o que possa também reavivar a memória do nosso pai.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras