Nas Bancas

Mãe há quatro meses, Catherine Cabral partilha a felicidade que está a viver

A decoradora abriu as portas do seu ‘atelier’, no centro de Lisboa, para mostrar como é para ela o Natal.

Vanessa Bento
18 de dezembro de 2016, 14:00

É com um sorriso reconfortante e uma serenidade única que Catherine Cabral nos recebe no seu atelier, em plena Avenida 24 de Julho. Dona de um sentido estético apurado, mostra-nos sem pretensão como o Natal também pode ser vivido de forma minimalista, sem perder a magia. Magia essa que, no seu caso, está francamente exponenciada por ter sido mãe há quatro meses. António é o motivo de uma enorme felicidade vivida a dois numa partilha constante entre Catherine e o marido, Miguel.
– Ainda é possível reinventar a decoração de Natal?
Catherine Cabral –
Claro. Mais do que reinventar, diria que é possível reinterpretar as decorações de Natal à luz das vivências pessoais. É muito importante que a decoração seja uma extensão das experiências de cada um e as integre.
– Onde vai buscar inspiração?
– Às histórias que me acompanham desde sempre, às viagens que deixam marcas, aos grandes mestres das raízes clássicas, que estudei. É uma mescla. Sou pela autenticidade, mais do que pelo pretensiosismo, em todos os aspetos da vida.
– Nas suas decorações, gosta de fugir do óbvio?
– Acertou na mouche. Não gosto de me reger pelo óbvio ou pelo comum. Dizem-me muitas vezes que é isso que me diferencia. Numa decoração interior, como na moda, deve haver personalidade, conforto e atitude. É tudo uma questão de consistência e equilíbrio, que pode resultar numa boa ou má estética.
– O seu trabalho é o espelho da sua identidade?
– Sem dúvida. Acredito que isso também tem muito a ver com a consistência que defendo e que os clientes reconhecem nos projetos. É um registo quase autobiográfico. Da minha tia-avó, em Paris, ligada a uma galeria de arte, à minha avó, que trabalhava numa marca de alta-costura e em cujo atelier eu me demorava tardes inteiras, passando pela família brasileira do lado do meu pai… Sei, orgulhosamente, que o trabalho que desenvolvo tem cada uma destas influências impressas, numa mistura eclética. Nele está a minha base clássica, mas também a ligeireza e um certo humor, claramente do lado brasileiro, que equilibro com os elementos contemporâneos.
– No seu dia-a-dia, também foge do banal?
– Sim, considero que é aí que reside a riqueza dos dias.
– Foi mãe há quatro meses. O que é que tem descoberto de si mesma neste período?
– Descobri uma capacidade de organização onde não imaginava que existisse. [risos]
– O nascimento do António foi um sonho tornado realidade?
– A vida é um milagre e o António uma bênção de Deus. Trouxe-me toda uma nova perceção de vida, um amor enorme, a união de casal que se redescobre num desejo comum. É tremenda a experiência, quer pelo sentimento, quer pela responsabilidade.
– Como é que ele é?
– É um “pinguim bonitão”, como carinhosamente lhe chamamos, que está sempre bem-disposto. Acorda a sorrir. Nesta fase, em que começa a interagir mais, é contagiante. Fisicamente, é a cara chapada do Miguel quando tinha a mesma idade.
– Prepara-se para viver o primeiro Natal enquanto mãe. Vai ser especial?
– Todos os Natais vão ser ainda mais especiais. O António juntar-se-á aos primos do lado paterno (este ano, excecionalmente, a minha mãe viajará de Lisboa, onde vive, para França). Se lhe disser que o António é o 11.º neto da “equipa” liderada pela avó, que conta ainda com dois bisnetos e um terceiro a caminho, facilmente adivinha a comemoração.
– Tem sido fácil conciliar o seu lado empreendedor com a maternidade?
– Com ajuda e dedicação, tudo se torna mais fácil, apesar de esta época ser de grande azáfama, em que surgem projetos menos convencionais e desafiantes para mim e para a minha equipa, como o que estamos a desenvolver a convite do Sofitel, na Avenida da Liberdade, para a sua decoração de Natal. Tive de fazer adaptações, mas para o meu equilíbrio é importante manter o percurso profissional ativo.
– Agora que é mãe sente-se ainda com mais força para lutar pelos seus sonhos e objetivos?
– Sinto-me sobretudo mais focada e sei que serei melhor mãe e mais feliz se continuar a ter uma carreira bem sucedida.
Maquilhagem: Tita Costa

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras