Nas Bancas

Joana Ribeiro: “Sou romântica até certo ponto”

A estrear-se no teatro, com a peça ‘O Autor’, a atriz revela quais as paixões que a movem.

Marta Mesquita
8 de dezembro de 2016, 14:00

Era apenas uma sessão fotográfica, mas mal se deparou com a objetiva, Joana Ribeiro assumiu logo uma personagem, explorando a simbiose entre o real e o imaginário. Enquanto deambulava pelos jardins da Quinta Nova da Assunção, em Belas, vestiu a pele de Alice no País das Maravilhas, mostrando que a maturidade dos seus 24 anos não lhe roubou a imaginação ou a capacidade de sonhar. Já no papel de Cinderela, Joana recusou-se a esperar que o príncipe encantado lhe devolvesse um dos sapatos, segurando-os firmes na mão, como quem sabe exatamente o caminho a seguir e os passos a dar. E foi esta mesma segurança e vontade de lutar pelos seus sonhos que a levaram a pisar os palcos pela primeira vez com a peça O Autor, em cena no Auditório Fernando Lopes-Graça, em Cascais. Dando corpo e voz ao teatro experimental, a atriz quer continuar a provar o seu valor, sem recorrer ao sucesso que alcançou quase instantanea­mente na televisão. Dias antes de se estrear, Joana contou como é que a representação tem influenciado a sua forma de estar na vida, desvendando também algumas linhas do guião daquela que é a sua ‘novela’ pessoal.
– Neste cenário idílico, quase que parecia a Alice no País das Maravilhas. É fácil para si preservar esse lado mais onírico e dar asas à imaginação?
Joana Ribeiro – Sempre tive uma imaginação muito fértil. Gosto de viver no meu mundo e de imaginar muitas histórias. Gosto de perceber até onde a imaginação me pode levar. É através dela que criamos e isso atrai-me. Tenho um lado muito onírico, mas também tenho os pés bem assentes na terra. Sei que isto é tudo muito bonito, mas, no final do dia, há contas para pagar. Não podemos ficar sempre no mundo do faz de conta.
– E é talvez por ter os pés bem assentes na terra que passa a ideia de que é uma pessoa muito certinha. Identifica-se com esta imagem?
– Mas o que é ser uma pessoa muito certinha? Faço disparates, mas sou boa pessoa. Nunca fiz mal a ninguém. Se isso faz de mim uma menina certinha, se calhar sou. Os meus pais nunca me impuseram muitas regras, sempre tive liberdade para fazer o que queria. Nunca tive de fazer asneiras para provar determinado ponto de vista.
– E foi esta vontade de fazer sempre o que quer que a levou a aventurar-se no teatro?
– Há muito tempo que tinha vontade de fazer teatro, até porque é algo bastante importante para um ator. A própria natureza da peça despertou-me muito interesse, porque é teatro experimental. Esta peça do Tim Crouch é basicamente uma conversa entre dois atores, o encenador e uma pessoa do público. Supostamente estão a falar do processo de ensaio de uma peça que fizeram, mas, na realidade, essa peça nunca existiu. E é muito interessante, porque joga com o que é e não é real. Nem nós sabemos o que é verdade ou não. O Tim Crouch tem sempre esta vontade de provocar e de fazer diferente. Ele defende que o teatro na sua forma mais crua é uma arte conceptual: não precisa de cenários, de figurinos ou de adereços. Precisa apenas da imaginação do público. Esta peça baseia-se muito nas imagens que as palavras espoletam. É como ler um livro.
– Está a ser, portanto, um trabalho muito desafiante para si…
– Sim, até porque é um texto muito difícil que nos obriga a interagir com o público. É um espetáculo desconfortável, tanto para o público como para nós, atores, porque estamos completamente expostos. Não tenho lá uma câmara nem há a possibilidade de dizer “corta”. Se me enganar, vou ter mesmo de saber lidar com isso. Mas esse é o lado bonito e único do teatro. Depois, esta peça interpela-nos sobre o quão culpados somos em relação àquilo que vemos, por exemplo. E tendo em conta tudo o que está a acontecer no mundo, como o drama dos refugiados, o terrorismo, as eleições nos EUA, começamos mesmo a questionar-nos sobre as nossas atitudes e a nossa responsabilidade em todas as situações.
– E para alguém que gosta de fazer listas e de ter, de alguma maneira, as coisas sob controlo, é fácil lidar com a imprevisibilidade do teatro e até da própria vida?
– Gosto muito de listas, mas estou sempre disposta a que mudem. Quebramos regras todos os dias. Às vezes, assusta-me ficar sem chão. Contudo, foi esse sentimento que me atraiu na representação, que é uma área tão imprevisível. Nunca sei o que vai acontecer, porque de um momento para o outro tudo muda. Estou preparada para errar, para fazer mal. Nesta profissão, ou melhor, neste modo de estar na vida, temos de arriscar e de ‘dar o peito às balas.’ O meu pai sempre me disse que há pessoas que aprendem com os seus erros e outras que aprendem com os erros dos outros. Eu sempre gostei de aprender com os meus erros.
– Para si, ser atriz é mais do que uma profissão?
– Sim, ser atriz é um modo de estar na vida. Ao pesquisar para uma personagem, aprendo muitas coisas enquanto Joana. Há uma mistura constante de aprendizagens.
– Não obstante essa ‘mistura’, a Joana parece separar muito bem a sua vida profissional da pessoal, nunca tendo comentado, por exemplo, o seu namoro com o seu colega João Jesus. Tem sido fácil manter esse lado privado longe da curiosidade do público?
– Sim. Quando começaram a perguntar-me sobre a minha vida privada, percebi que isso não interessava nada. Quero que as pessoas me conheçam pelo meu trabalho. Não é por namorar com determinada pessoa ou por ser amiga de alguém que devo ser falada. Se as pessoas souberem tudo da minha vida, mais dificilmente acreditam nas minhas personagens. E com as redes sociais, que vieram tornar tudo ainda mais mediatizado, a nossa vida pessoal tornou-se o nosso bem mais precioso. Por isso, vou continuar sem falar sobre isso.
– É romântica? Imagina-se com alguém para o resto da vida?
– Gosto de acreditar nisso e sou pessoa romântica até certo ponto... Nos dias que correm é difícil as pessoas ficarem juntas para o resto da vida. Se calhar digo isto por ser filha de pais separados. Não sei... É algo em que não penso muito.
Produção: Patrícia Pinto | Maquilhagem: Raquel Peres

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras