Nas Bancas

Cláudio Ramos após a operação ao coração: “Desta vez, sim, tive medo”

O apresentador e ‘blogger’ reconhece agora que vai ter mesmo de abrandar o ritmo de trabalho.

Andreia Cardinali
1 de dezembro de 2016, 16:00

Aos 43 anos, Cláudio Ramos já se tornou aquilo que sempre ambicionou: um rosto incontornável do entretenimento televisivo. O apresentador tem a seu cargo as rubricas Jornal Rosa e Consultório Sentimental do programa da SIC Queridas Manhãs, faz parte do programa da SIC CARAS Passadeira Vermelha e ainda apresenta o Contra Capa, no mesmo canal, e participa no Esquadrão do Amor, no Canal Q. Apesar de ser um apaixonado pelo seu trabalho, Cláudio já percebeu que precisa de desacelerar: a saúde não se compadece do ritmo frenético e voltou a ter de se submeter a nova intervenção ao coração, uma ablação cardíaca, que consiste na remoção de tecidos que bloqueiam os impulsos elétricos e, consequentemente, provocam arritmia.
– Foi operado há dois meses...
Cláudio Ramos –
Sim. Esta intervenção foi mais invasiva e há 80% de probabilidades de não voltar a acontecer. Não queria ter feito esta intervenção, não foi fácil, mas tinha de ser. Estou com muita medicação e isso, a longo prazo, pode ser prejudicial, porque sobrecarrega outros órgãos, por isso decidi fazer esta intervenção. Para ver se com o tempo consigo deixar a medicação.
– Teve receio?
Desta vez, sim, tive medo. Estava um aparato muito grande e só no bloco percebi que seria uma cirurgia mesmo à séria. Aí pensei que poderia já não sair de lá. Mas tinha tudo organizado, tudo escrito para o caso de me acontecer alguma coisa.
– Este problema não o faz repensar o ritmo de trabalho?
Sim, este ano foi a primeira vez que pensei nisso. Estava muito cansado antes da operação, trabalhava muito tempo. Agora, na prática trabalho o mesmo, mas estou mais resguardado. Saio de casa às 7h da manhã e há dias que chego às 00h30. Fisicamente é muito violento, o que vale é que são coisas que gosto de fazer. São muitos programas, sou eu que escrevo todos os meus textos e mesmo estando em casa, estou sempre a trabalhar. Não paro um minuto. Por isso, agora, quando me sinto cansado, paro e aviso que não posso. Nestes três meses tenho de me restabelecer completamente e já pedi algumas folgas.
– Diria que hoje em dia é um rosto incontornável da televisão.
Mas foi difícil. A maior dificuldade foi provar que conseguia ser um bom comentador na área “cor de rosa” e um bom apresentador. Eu sabia que as coisas eram compatíveis, mas durante muito tempo ninguém acreditou nisso. Agora, graças a Deus, sou uma alternativa ao programa da manhã, como outros colegas meus.
– Quer dizer que quando entra em casa não consegue desligar?
Nem pensar. Nem quando estou a treinar consigo desligar do trabalho. Mas acho que consegui encontrar um equilíbrio.
– Além da televisão, tem o blog Eu Cláudio, que faz dez anos. Qual o segredo?
Nasceu como um canto de desabafos, mas rapidamente percebi que tinha sentido fazê-lo crescer. Na altura, nunca imaginei que o mundo da blogosfera se transformasse no que é hoje, mas percebi que o importante era investir forte e profissionalmente Acho que o segredo passa pelo empenho e dedicação. É isso que faço todos os dias, mesmo cansado, tenho que dedicar-lhe tempo. Sou eu que escrevo, tenho uma equipa de apoio, mas sou eu a base, porque não posso defraudar quem investe em mim.
– Para terminar: o seu pai morreu recentemente. Mudou alguma coisa em relação ao que sentia por ele?
Não. Nunca escondi que a nossa relação não era boa e neste processo todo o que mais me custou foi ver o sofrimento dos meus irmãos. Na altura em que nos zangámos deixei de o considerar meu pai, mas continuou a ser pai dos meus irmãos e eles é que me importam.
– Mas foi-se despedir dele...
Claro. Fomos todos os filhos, só, numa pequena cerimónia.
Fotos: João lima | Produção: Filipa Gonçalves

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras