Nas Bancas

Miguel Veiga morre no ‘seu’ Porto, de cancro, aos 80 anos

“Morreu o meu amigo Miguel. Faz-me falta e vai continuar a fazer. Foi um grande companheiro de longas décadas em várias frentes.” (F. Pinto Balsemão)

CARAS
21 de novembro de 2016, 16:38

“Estou intimamente ligado ao Porto. Enraizado. Nasci e cresci no Porto e espero morrer no Porto, aqui, junto ao mar da Foz”, disse Miguel Veiga ao Expresso em novembro de 2014. E assim foi. O advogado e membro fundador do PPD/PSD morreu na manhã do passado dia 14, aos 80 anos, no ‘seu’ Porto. Filho único, sobrinho único e neto único, nasceu a 30 de junho de 1936 no seio de uma família abastada. Os pais, que o educaram com liberdade, eram os seus ídolos e não lhes poupava elogios. “Não acredito no post mortem. A extinção não me atormenta. Só gostaria de acreditar nalguma coisa que após a morte me fizesse reencontrar os meus pais. (...) Penso nos meus pais todos os dias, porque tive os melhores pais do mundo. Adorava-os. A infância foi uma idade de ouro. Fui o mais feliz que uma criança pode ser. E essa criança continua dentro de mim”, pode ler-se na mesma entrevista.
Miguel Veiga era um homem de afetos e isso percebia-se quando falava na mulher, Belicha, com quem estava casado há mais de 30 anos. “É encantadora e tem a suprema qualidade de me saber aturar. Não sou fácil: fui filho único, estou mal habituado. O meu primeiro casamento durou três anos. E depois estive vinte e tal anos solteiro até casar com ela. Os vícios e defeitos ganharam raízes. É este animal que ela tem que gerir. (...) Ela não restringe a minha liberdade. Vai dando as explicações dela: diz que não fecho bem a caixa, tudo coisas ternurentas. É uma descompressão grande. Ela percebeu que eu não era domesticável. Mas sabe domesticar-me sem eu notar”, confessou à Visão em julho de 2006. Acima da política, estava também a amizade, que caracterizou nessa mesma entrevista como “o lugar da terra onde mais gosto de viver”. Do seu círculo de amigos destacam-se Artur Santos Silva e Francisco Pinto Balsemão, que começou o extenso e emotivo obituário que lhe dedicou no Expresso com a frase: “Morreu o meu amigo Miguel.”
Licenciado em Direito pela Universidade de Coimbra, Miguel Luís Kolback da Veiga, de seu nome completo, era um respeitado advogado e foi também, durante 25 anos, administrador não-executivo do grupo liderado por Pinto Balsemão. Em 2015, recebeu das mãos de Rui Moreira a mais alta distinção do Porto, a Medalha de Honra da Cidade. Anos antes, tinha sido agraciado com a Grande Oficial da Ordem da Liberdade. A autarquia portuense já decretou três dias de luto municipal.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras