Nas Bancas

Diana Chaves e César Peixoto: “Adorávamos ter mais filhos, pensamos nisso há algum tempo”

A atriz e o ex-jogador de futebol protagonizaram a campanha do perfume Lucky Me by Diana, uma essência completamente elaborada pela própria. Juntos há nove anos, mostraram-se felizes e apaixonados.

Andreia Cardinali
20 de novembro de 2016, 16:00

Juntos há nove anos, Diana Chaves e César Peixoto transparecem harmonia. Carinhosos e atentos um ao outro e com um sentido de família cada vez maior, a atriz e o ex-jogador trabalharam juntos pela primeira vez na campanha do perfume Lucky Me by Diana. A CARAS assistiu ao making of da campanha e aproveitou a ocasião para conversar com o casal, que falou desta experiência mas também da forma como se sentem cada vez mais felizes juntos.
– É a primeira vez que trabalham juntos.
Diana Chaves – Sim, o César foi obrigado [risos]. Pedi com jeitinho, porque a ideia seria ter um homem na campanha e eu achei que se tenho o meu preferido lá em casa, só poderia ser ele. Perguntei-lhe e ele lá veio... Mas com gosto, acho eu [risos].
César Peixoto – Claro que vim com gosto. Sei que não tenho muito jeito, nem estou muito à vontade, mas acabei por aceitar. Estou habituado a jogar perante muita gente, mas aqui e, apesar de ser muito menos gente, sinto-me muito mais nervoso. É uma experiência diferente.
– Foi fácil fazerem a sessão fotográfica juntos?
Diana – Sim. A ideia é sermos nós pró­prios e o [fotógrafo] João Portugal é que capta as melhores imagens.
– César, e ver a Diana no local de trabalho dela?
– Já a tinha visto várias vezes. Gosto muito de a ver fazer estes trabalhos. Ela é linda e fica bem com tudo. As fotos que faz são sempre lindas. Para mim, estes dias são sempre uma novidade e acabo por me divertir ao perceber como é que as coisas são feitas. Sou muito curioso.
– Diana, como surgiu o convite para ter uma fragrância totalmente feita por si e a pensar em si?
– Eu sou embaixadora da Equivalenza e quando surgiu a oportunidade de lançar um perfume achámos que faria todo o sentido. Ainda mais porque eu tenho um problema com perfumes e aromas: sou exigente! Por isso, achei que seria perfeito criar o meu próprio perfume. É um processo muito complexo e longo que foi iniciado há mais de um ano. Aliás, há um ano que uso o meu perfume sem ninguém saber. Todos me perguntavam qual era e eu não podia dizer [risos]. Este perfume é mesmo a minha essência e tudo passou pelas minhas mãos. É um perfume muito natural, que se adapta à pele de cada um.
– Calculo que o nome também tenha sido pensado por si...

– Sim, Lucky Me é uma frase que uso com alguma frequência, porque sou muito grata, a tudo. Acredito muito que fazemos a nossa sorte e que devemos ser felizes com o que temos.
– É um perfume com um certo cheiro de bebé, mas com um lado sensual. Diria mesmo semelhante à Diana...
Diana – Sim, é mesmo a minha essência. Foi isso que procurámos. Não é para vender, eu real­mente adoro este perfume. É engraça­do que as pessoas, quando sentem o perfume, identificam as mesmas características. Isso quer dizer que o objetivo foi cumprido.
– César, também revê na Diana as características que referi?
– Completamente. Este perfume é envolvente, charmoso, quanto mais se cheira, mais se gosta. Um pouco como a Diana... quanto mais se conhece mais se quer conhecer. Daí eu já estar com ela há nove anos. Cada dia que passa gosto mais um pouco dela.
– Durante a sessão foi visível a forma carinhosa e cúmplice com que se tratam...
Diana – Eu sempre fui assim e o César, apesar de ser um pouco mais reservado, com a família é sempre muito caloroso. Era impossível não sermos muito atenciosos e apaixonados um pelo outro…
– César, não é a Diana que impulsiona esse lado em si?
– Acho que com a família sempre fui, mas com ela e com a família dela, que tem uma envolvência diferente da minha, aprendi a ser mais carinhoso e atencioso. Acho que até mais afável. A minha timidez sempre foi um pouco confundida com arrogância e hoje em dia acho que sou um pouco mais aberto e simpático.
Diana – O César é muito querido: com os filhos, comigo, com toda a gente…
– Estão juntos há nove anos e têm conseguido conciliar bem a vossa relação com o lado pessoal e público, com mais ou menos polémicas. Tem sido sempre fácil fazê-lo?
Diana – Sinceramente, acho que é fácil. Quando há amor, quando as pessoas se sentem bem juntas, tudo o resto é secundário. Como todos os casais, pode haver uma questão ou outra que tem de ser resolvida, mas acho que é tudo muito simples. Eu dou muito importância à parte emocional e familiar e, para mim, se isso estiver bem, tudo o resto é irrelevante.
– Qual o balanço destes nove anos?
– Ótimo. Temos uma filha maravilhosa que nos vai ligar para sempre.
– César, o que é que o conquistou na Diana?
– O sorriso, a simpatia e a forma de ser e estar na vida. Cada dia que passa, e com as dificuldades que vão aparecendo, ela vai reforçando cada vez mais aquilo que penso. A Diana é uma excelente companheira para a vida.
– É fácil de gerir as alturas em que a paixão está mais ‘apagada’?
Diana – A nossa vida nunca foi monó­tona e isso ajuda.
– Já se fala do vosso casamento há algum tempo. Não será este ano?
– Não sei [risos]. Não será uma coisa tradicional, portanto, também não será difícil de tratar com pouca antecedência. Quem sabe se não temos já as coisas mais importantes tratadas?! [risos]
– A vossa filha, Pilar, está com quatro anos e deve estar numa fase muito engraçada...

– Está de todo, fala pelos cotovelos, é super despachada, tem conversas surreais e hilarian­tes, só me apetece filmá-la o tempo todo.
– César, é realmente diferente ser pai de um menino e de uma menina?
– A forma como os amo é igual, a única diferença é que a Pilar está comigo todos os dias e o Rodrigo [fruto do casamento com Isabel Figueira] não. Tenho uma relação ótima com os dois e não há grande diferença para mim entre um e outro. As diferenças que há são entre eles e são as naturais entre um rapaz e uma rapariga. Os rapazes são mais fáceis de distrair com o futebol, uma consola, as meninas é que é mais complicado, às vezes acabo com as unhas pintadas e maquilhado [risos]. O Rodrigo também está numa fase muito gira, diferente.
– E a Pilar não é, por exemplo, mais meiga com o pai?
– Não, ela é igualmente meiga com ambos.
Diana – Ela é muito carinhosa com os dois, passa a vida a dizer que eu sou bonita e que o papá tem uma barba fofinha [risos], mas eu acho que ela é mais preocupada com o pai. Se eu falei mais alto com o pai por alguma razão, ela chama-me à atenção.
– A relação entre os irmãos deve ser muito engraçada...
– Sim, eles adoram-se. Ela é mais mandona e ele acha-lhe graça e faz quase tudo o que ela quer. Quando não faz, ela fica muito ofendida [risos].
– Ter mais filhos faz parte dos vossos planos?
– Claro, quem me dera. Adorávamos. Já pensamos nisso há algum tempo, vamos ver... Mas gostávamos muito de ter mais filhos.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras