Nas Bancas

Adele conta que sofreu de depressão pós-parto

A artista foi mãe de Angelo há quatro anos.

CARAS
1 de novembro de 2016, 17:04

Em outubro de 2012, após um período de enorme sucesso a nível profissional, Adele viveu uma das experiências mais marcantes da sua vida: ser mãe de Angelo. Tinha então 24 anos e uma relação estável com Simon Konecki. Mas como acontece com muitas mulheres, no meio de tanta mudança e felicidade, a artista viu-se confrontada com uma depressão pós-parto, que, assume, deixou marcas e faz com que fique “aterrorizada” com a ideia de ter outro filho. “O que vivi no pós-parto não foi bom. Sentia que não queria estar com o bebé, tinha medo de magoá-lo, achava que não estava a fazer as coisas da melhor forma. Mas, por outro lado, era completamente obcecada pelo meu bebé, não conseguia focar-me em mais nada. Sentia-me deslocada e cheguei a pensar que ser mãe tinha sido a pior decisão da minha vida… E esse sentimento manifestava-se e continua a manifestar-se várias maneiras. Lembro-me de, a dada altura, ter pensado que tinha de ter uma tarde por semana para mim, para fazer o que quisesse sem o bebé. Uma amiga perguntou-me se não me sentia mal por isso. Eu confessei que sim, mas que me sentia ainda pior se não o fizesse. Precisava de tempo só para mim”, começa por contar. “Acho que decidir não ter filhos revela muita coragem. Todos os meus amigos e eu nos sentimos pressionados a ter filhos porque é o que os adultos devem fazer. Amo o meu filho mais do que tudo neste mundo, mas a verdade é que no dia-a-dia, gostaria de aproveitar o meu tempo livre para fazer o que quero, quando quero. Continuo a sentir isso todos os dias”, adianta.
A possibilidade de aumentar a família existe, mas Adele admite que não está muito empolgada com a ideia: “Fico aterrorizada. Tive uma depressão pós-parto muito má depois do nascimento do meu filho e isso deixa-me muito assustada”.
A artista está a terminar uma digressão de dez meses e assume que nem sempre lida bem com o facto de não ser uma mãe tão presente quanto gostaria. “Divirto-me quando estou em tournée, mas ao mesmo tempo culpo-me porque apesar de ter o meu filho comigo nem sempre consigo fazer tudo o que deveria, como pô-lo a dormir à noite. Agora já não me sinto culpada quando não estou a trabalhar. Uma mãe está sempre ocupada e tem sempre coisas para planear ou pensar. Apesar de gostar muito de ter tempo só para mim, também sinto que se não voltar a fazer algo só por mim, nomeadamente pela minha carreira, não faz mal. É o Angelo que mais importa agora”, conclui.

Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras