Nas Bancas

Mãe e irmã de Bárbara Guimarães testemunham em tribunal

Isabel Amorim e Alícia Teixeira Pinto corroboraram o medo em que a apresentadora vivia durante o casamento com Manuel Maria Carrilho.

CARAS
15 de outubro de 2016, 12:37

Isabel Amorim começou a ser ouvida como testemunha na sessão da semana passada do julgamento de violência doméstica da filha, Bárbara Guimarães, e de Manuel Maria Carrilho. Interrogada pelo Ministério Público, a professora sublinhou: “O que ela vivia era infernal. Eu não sei se teria forças para aguentar o que a minha filha aguentou. Ela tinha medo dele. Um dia disse-me: ‘Toma conta dos miúdos porque um dia apareço morta’. Ainda hoje ela vive com este medo”.
Já perante o interrogatório dirigido por Pedro Reis, advogado de Bárbara Guimarães, Isabel atirou: “Não perdoo ao Manuel. A minha filha cuidou dele, protegeu-o... O Manuel tem uma dívida de gratidão para com a Bárbara que nunca vai pagar”. Ainda segundo a mãe da apresentadora, Manuel Maria Carrilho terá dito à sua irmã, Ana, que não conseguia “passar pela humilhação de um divórcio”.
Alícia Teixeira Pinto começou a testemunhar esta sexta-feira após a mãe, Isabel Amorim, ter sido ouvida por todas as partes. A irmã de Bárbara Guimarães confirmou que a apresentadora se sentia “diminuída” e tinha “muita vergonha” por tudo o que estava a viver no seu casamento. “Quando eles regressaram da viagem que fizeram ao Rio de Janeiro, em maio de 2013, a minha irmã contou-me pela primeira vez sobre a exaltação física do Manuel. Vi marcas nos dois braços da minha irmã, na parte superior. Depois disto, ela pediu-me para estar sempre presente porque tinha medo de estar sozinha com ele”.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras