Nas Bancas

Ivo Canelas: “A arte é conseguirmos manter-nos apaixonados pelo trabalho”

No dia da apresentação de “Refrigerantes e Canções de Amor”, filme em exibição nos cinemas nacionais, conversámos com o ator, que aos 42 anos já leva mais de 20 a representar.

CARAS
10 de setembro de 2016, 18:00

Ivo Canelas é um dos protagonistas de Refrigerantes e Canções de Amor, comédia romântica com argumento de Nuno Markl e realização de Luís Galvão Teles que está a conquistar os portugueses. “A história atraiu-me logo. Há uma fragilidade muito humana que me interessou. Depois, o Nuno Markl foi escrevendo e-mails ao longo das filmagens, dando-nos uma imagem muito forte sobre o amor e o que é perder um amor, do que é estar às compras num supermercado, no corredor do papel higiénico, e pensar: “Estou sozinho a fazer o que costumava fazer com al­guém a meu lado.” Essa imagem de solidão é uma pequena pérola. E o lado romântico de conheceres a pessoa que amas, sem lhe veres a cara, também me interessou muit­o”, explicou o ator à CARAS, no dia da apresentação do filme.
A partilhar o elenco com nomes como Victoria Guerra, João Tempera ou Lúcia Moniz – mas também com os cantores Jorge Palma e Sérgio Godinho – Ivo acha que o casting não poderia ter sido melhor: “Gostei muito de trabalhar com todos eles. Do ponto de vista da interação, foi sempre muito positivo.
Aos 42 anos, o ator já conta com mais de 20 de represen­tação, mas não deu pela passagem do tempo. “Esta é uma profissão muito especial, que sempre me deu muito prazer, seja em cinema, teatro ou televisão. Há as expectativas, os desejos, os sonhos, os sucessos, os falhanços, mas a arte está em conseguirmos manter-nos apaixonados pelo trabalho.”
Por isso mesmo, confessa que ainda tem um longo caminho a percorrer. “Queria um bocadinho mais de tudo, como dizia o John Coltrane [risos]”, brinca, revelan­do que nem na vida privada colo­ca metas. “Nunca tive muitas expectativas. Sempre que existiram, correu mal. É aquela filosofia de aceitar o que vem e tentar estar preparado para reconhecer o que está à nossa volta. Não vale a pena querer uma coisa que não se tem e, acima de tudo, temos de estar preparados para largar o que temos. A vida é mesmo sobre saber largar.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras