Nas Bancas

Telma Monteiro: “Também sou forte e determinada fora dos tapetes”

Aos 30 anos, a judoca conseguiu concretizar o sonho antigo de subir ao pódio nos Jogos Olímpicos do Rio

Cláudia Alegria
3 de setembro de 2016, 14:00

"Eu vim para ficar”, avisou Telma Monteiro quando passou a fase de repescagem. Era a sua quarta participação nuns Jogos Olímpicos e a judoca, de 30 anos, estava determinada em fazer história no Rio de Janeiro. E fez. O seu nome ficou gravado por ter conquistado a primeira medalha olímpica do judo feminino português, após derrotar a romena Corina Caprioriu. Uma medalha de bronze que não consegue largar. Afinal, representa 16 anos de dedicação, esforço, lágrimas. Caiu muitas vezes no tapete, mas soube levantar-se outras tantas, respeitando os três valores fundamentais do espírito olímpico: respeito, amizade e excelência. A CARAS falou com a judoca no Rio de Janeiro, a bordo do navio-escola Sagres, a Casa de Portugal durante estas Olimpíadas.
– Em Na vida com Garra, a sua biografia recentemente publicada, diz que quanto mais duvidassem de si mais força teria para conquistar os seus objetivos. Mas desta vez todos acreditavam que era possível...
Telma Monteiro –
O facto de as pessoas acreditarem em mim deu-me tranquilidade e ainda mais motivação para poder competir sem pressão. Queria ganhar e poder retribuir todo o carinho e apoio. Sabia que, independentemente do resultado, as pessoas iriam apoiar-me. A força veio de todos os que acreditavam em mim, mas também da lembrança de todos os obstáculos que tinha vencido para estar nos Jogos Olímpicos.
– “Eu vim para ficar.” Este grito de guerra vai ser ouvido mais vezes ou ficará apenas na história destes Jogos?
Não sei. Foi algo que não planeei. Simplesmente saiu. Foi adequado à situação. Primeiro, porque eu tinha vindo com o objetivo de fazer história. Depois, porque aquele era um combate decisivo. Ou ganhava ou estava eliminada da competição. Aquelas palavras eram a demonstração da minha enorme vontade de continuar em prova e atingir o meu objetivo. Era a afirmação de que não ia desistir, que ia lutar até ao fim e que ia conseguir. E consegui, o que foi perfeito.
– Um joelho ligado e uma luxação num ombro não a impediram de ganhar um combate em quatro minutos. As dores surgem mais tarde ou esquecem-se nestes momentos?
A dor do joelho estava controlada com medicamentos e com a ligadura, a do ombro surgiu a meio do combate. Mas com tanta adrenalina, e depois de tudo o que tinha passado, não ia desistir. A dor continua, mas a medalha veio, por isso valeu a pena.
– É forte e determinada também na sua vida pessoal ou só nos tapetes é que estas características se evidenciam?
Considero-me forte e determinada em todos os aspetos da minha vida; acho difícil dissociar as características da Telma judoca da Telma fora dos tapetes. Penso que, em contextos diferentes, diferentes características se destacam, mas a base está lá.
– Numa entrevista que deu à CARAS em 2008 dizia que queria competir até aos 30 anos. Entretanto, já disse que quer ir aos Jogos Olímpicos de Tóquio. O que lhe falta conquistar?
É verdade, disse isso, mas agora sinto-me bem, feliz a fazer judo e a competir, por isso mesmo antes destes Jogos já tinha decidido continuar até Tóquio. O meu objetivo é continuar a ganhar medalhas em Europeus e Mundiais e nas grandes competições do circuito mundial. Quero continuar no top 3 do mundo até ao fim da minha carreira.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras