Nas Bancas

Bárbara Alves da Costa: “Não nascemos ricos, mas nascemos cheios de sonhos”

Pedro e Bárbara mudaram-se para o Alentejo e deram nova qualidade de vida a Bernardo, Alice e Maria do Mar.

Vanessa Bento
13 de agosto de 2016, 16:00

A vida de Bárbara Alves da Costa parece saída das histórias mágicas que alimentaram o seu imaginário infantil. Numa versão mais moderna, é certo, mas com o destino a pregar deliciosas partidas aos seus intervenientes. Senão, vejamos: aos 17 anos teve um namoro fugaz com Pedro Gil Ramos. Nos 20 anos seguintes, Bárbara, que se tornou jornalista da SIC, seguiu com a sua vida, bem como Pedro, arquiteto, e cada um teve um filho – ela é mãe de Maria do Mar e ele é pai de Bernardo, ambos de 11 anos. Estavam os dois solteiros há três anos, e sem saber nada um do outro desde a adolescência, quando se encontraram por acaso numa festa de aniversário. O antigo amor acordou e hoje, sete anos depois, deram uma irmã aos filhos – Alice, de três anos – e estão a viver o sonho que sempre lhes alimentou a alma. Juntos, deixaram a vida profissional que conheciam e abriram a Terra do Sempre, no Alentejo, um espaço de turismo que é também a certeza de que a vida vai muito para além do óbvio.
– Há uma canção do Antó­nio Variações que diz: “muda de vida se não vives satisfeito”. Podia ser a banda sonora da vossa vida?
Bárbara – Não sei se é bem isso, porque nós vivíamos felizes em Cascais e tanto eu como o Pedro adoramos as nossas profissões. Mas há cerca de dois anos tivemos imensos azares na família, morreram a mãe e o padrasto do Pedro, perdemos um bebé e, além de tudo isto, passávamos os dias a correr, estava farta de dizer aos miúdos para se despacharem. Já tínhamos esta casa e tínhamos, também, a vontade de ter um turismo. E quando fizemos 40 anos tomámos uma decisão. Num mês metemos os projetos no ProDer (programa de desenvolvimento rural) e conseguimos fazer tudo, embora tenhamos sido os últimos a entregar. Lançámo-nos à sorte e pensámos: o que calhar, calhou. Somos assim os dois.
Pedro – Também queríamos muito proporcionar outra vida aos miúdos. Queremos que eles cresçam com liberdade e aqui conseguimos isso. Avançámos para este sonho muito por eles, também. Nós sempre vivemos em casas cheias de gente, de família e de amigos, e isso acaba por se replicar aqui um bocadinho, embora seja com estranhos. [risos]

Bárbara – A minha avó instigou-me muito este lado porta aberta. A casa onde vivíamos em Cascais era da minha avó e era uma casa onde as minhas tias entravam a qualquer hora, nunca sabíamos bem quantos éramos ao fim de semana. E eu cresci assim. É como as histórias. A Terra do Sempre veio muito deste nosso lado da minha avó nos ler sempre histórias, todos os dias. Cresci, e faço o mesmo com as minhas filhas, com essa magia. E foi aqui que criámos este mundo mágico em que todos os adultos querem acreditar.
– É a esperança para lá da rotina?
– É! Nós apercebemo-nos de uma série de coisas quando viemos para cá. Já sabíamos que queríamos mudar de vida e ter mais tempo para os miúdos, mas quando se sai da antiga rotina e se entra nesta nova rotina, onde há tempo, apercebemo-nos de como era. Notei uma diferença incrível na minha filha mais velha, que antes chorava no caminho pela A5, entre Cascais e Lisboa, com a pressão de chegar a horas à escola, e agora é tudo diferente. Este ar que se respira, esta calma que se vive faz toda a diferença. E aqui eles têm muito mais liberdade e mobilidade.
– Ainda assim, trocaram o certo pelo incerto. Não foi difícil?
– Nós achamos sempre que no fim vai tudo resultar. Claro que houve momentos duros, no inverno, em que não tínhamos muitos hóspedes e havia contas para pagar.

Pedro – Apesar dos momentos complicados, nós somos os dois assim, não nos agarramos às dúvidas. Puxamos um pelo outro. Mas esta é uma postura que não se ensina, faz parte de nós. Nós não planeamos as coisas, vivemos um dia de cada vez.
Bárbara – Não nascemos ricos, mas nascemos cheios de sonhos. E ou desistimos, ou não. E nós não desistimos. É isso que faz toda a diferença. Não tínhamos rede de segurança nesta mudança de vida, mas tanto eu como o Pedro sabemos trabalhar e, caso corresse mal, não íamos baixar os braços.
– Sempre acreditaram que podiam ajustar a vida aos vossos sonhos?
– Fui educada assim, portanto, não sei viver de outra maneira. Vivo permanentemente feliz, quer tenha dinheiro ou não. Contorno as coisas de modo a fazer tudo o que quero. Culpa da minha avó, da minha mãe e do meu pai, que também é jornalista e sonhador. As minhas filhas não acham que há impossibilidades na vida. Percebem que há contrariedades e dificuldades, mas estou sempre a dizer-lhes que conseguem fazer tudo sozinhas. Não quero criar um filho que aos 18 anos não sabe fazer nada. Mas aqui, de facto, tudo é diferente. Em Lisboa, a vida não pára, aqui sim. E com as mortes que tivemos na nossa família e a chegada dos 40, pusemos tudo em perspetiva e percebemos que não queríamos viver assim, apressados, sempre atrasados. E mais, não queria ensinar às minhas filhas que a vida era aquilo. Queria mesmo ter tempo! Digo muitas vezes à Maria do Mar que quando ela estiver no 12.º ano vamos parar um ano e viajar todos em família. Nós educamos mal os miúdos, a questão da gestão, da pressão... A vida não é só isto! Mudar de vida foi uma opção de família. Não o fizemos só pelos nossos filhos, a vida levou-nos a isto. Foi um caminho e eu acredito muito nestes caminhos. Hoje estamos aqui, vivemos super felizes e é o que nos faz sentido.
– As crianças adaptaram-se bem a esta mudança?
– A Alice fez três anos aqui e parece o Tom Sawyer com purpurinas.
Pedro – Quando comprámos esta casa, lembro-me perfeitamente de cá vir com a Maria do Mar e com o Bernardo e os picos, os paus e as aranhas serem um problema. A Alice é o oposto, está completamente enquadrada, nada lhe faz confusão. Ela não nasceu aqui, mas parece que sempre pertenceu aqui. A Maria do Mar foi mais complicado, com as saudades das amigas.
Bárbara – Foram três meses em que dizia que queria voltar para a antiga escola, mas depois passou. Ela continua a ter os amigos de Lisboa e tem os de cá. Ganhou muita confiança com esta mudança e agora já não quer voltar, fez-lhe muito bem.
– Sentem que também mudaram enquanto pais? Hoje são mais serenos?
– Completamente! Faz muita diferença. Eu andava sempre a mil e agora já não faço tudo ao mesmo tempo
Pedro – A tranquilidade deles também nos descontrai. Hoje, já não há gritaria de manhã, porque não vivemos atrasados, não temos a pressão do trânsito, das horas. Tudo mudou, em nós e neles. É uma sensação muito boa!
– Este é o vosso “final feliz”?
Bárbara – Sim, é. Às vezes nem sei muito bem como é que chegámos até aqui. Mas tem sido muito bom.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras