Nas Bancas

Olivier da Silva afirma: “Estou empenhado em provar a minha inocência”

Marido de Cláudia Jacques dá entrevista exclusiva à CARAS.

Joana Brandão
25 de julho de 2016, 15:57

Dias depois de ter sido novamente detido, desta vez em Elvas, e presente ao juiz do Tribunal de Portimão, que determinou a sua liberdade, o marido de Cláudia Jacques deu uma entrevista exclusiva à CARAS onde transcreve o despacho da juíza de instrução que critica o comportamento da Polícia Judiciária. “Depois da análise efetuada para efeitos desta diligência, anota-se, por um lado, um excesso de zelo da PJ que trouxe para o processo tudo o que numa construção sua faz dos mesmos, e que, na verdade se calhar, se resume a muito pouco. Se calhar, quem era suposto conduzir a investigação, tem vindo, porventura, a ser conduzido por ela”, lê-se.
Na companhia do advogado, Aníbal Pinto, Olivier da Silva mostra-se indignado com o que tem vindo a acontecer, e afirma: “Sou um lutador e estou empenhado em provar a minha inocência. Quero voltar a ter a minha vida normal”.
Ciente da repercussão mediática do processo, exaltada pelo facto de ser casado com Cláudia Jacques, o empresário defende: “Eu não sou figura pública, a minha mulher é que é. Eu acompanho a Cláudia sempre e que posso porque quero estar perto dela. Não quero protagonismo”.
Embora tenha optado por não se envolver publicamente no processo, mantendo sempre a discrição, a relações-públicas tem sido o grande apoio de Olivier da Silva mas, como qualquer pessoa, Cláudia Jacques também quer saber a verdade. “A Cláudia é uma pessoa correta e não quer estar associada às práticas pelas quais estou indiciado. Eu fui detido e libertado pelo despacho do juiz porque não havia indícios para me manter detido. E isso quer dizer muita coisa.”
“Este é um caso sui generis. Não há história em Portugal de um homem ser detido duas vezes no espaço de um mês e ser solto dessas duas vezes”, aponta o advogado que enquadra o caso: “Quando surgiu a primeira queixa, a PJ consultou as contas do Olivier e contactou os clientes com quem ele ainda tinha negócios pendentes. Com esse contacto conseguiu que outro cliente também fizesse queixa, mesmo que sem fundamento. Daí a juíza dizer que foi excesso de zelo da PJ. E os 10 volumes que constituem o processo resumem-se a muito pouco, como ela explica. Quanto à detenção diz: não há indícios de burla qualificada, não há usurpação de funções, não existe falsificação de documentos, e não há branqueamento de capitais”.
Ainda de acordo com Aníbal Pinto: “O Olivier foi detido porque, alega a PJ, havia perigo de fuga, o que é um disparate. Se ele quisesse fugir já o tinha feito e não tinha uma vida tão exposta ao lado da mulher. Dizem também que há o risco de continuidade da atividade criminosa. Mas estamos a falar, alegadamente, de crimes patrimoniais que são menos penosos por isso não percebo a urgência quando estamos nas férias judiciais”.
Perplexo com o desenrolar do processo, o advogado da Aníbal Pinto e Associados diz que “foi uma detenção lamentável que fez com que o Olivier fosse detido 48 horas no Algarve, quando tem residência no Porto”.
Por iniciativa própria, Olivier da Silva vai apresentar-se em França em setembro para responder à queixa que foi apresentada por um casal francês do qual foi intermediário na compra de um apartamento em Vila do Conde. Recorde-se que foi esta queixa que levou à primeira detenção do marido de Cláudia Jacques, a 31 de maio, no seguimento de um pedido de extradição emitido por França. Depois de ter passado 48 horas na PJ do Porto, Olivier saiu em liberdade mas ficou sujeito a vigilância eletrónica no domicílio.
A segunda detenção aconteceu no passado dia 20, quando o empresário acompanhava a mulher no concurso Miss Portuguesa 2016, em Elvas. Olivier da Silva passou duas noites no Estabelecimento Prisional de Faro e foi presente ao juiz no Tribunal de Portimão na sexta-feira, 22 de julho, tendo depois sido libertado.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras