Nas Bancas

Nélson e Sérgio Rosado: “Somos novos para os anos que temos de carreira”

Os Anjos começaram a cantar há 18 anos e continuam a conquistar os portugueses.

André Barata
24 de julho de 2016, 10:00

Os laços de sangue e a paixão pela música não são as únicas coisas que unem Nélson e Sérgio Rosado, de 40 e 36 anos, respetivamente. Os dois irmãos partilham uma faceta solidária que os levou recentemente a aceitar dar a cara pelo projeto Horse Boy, hipoterapia destinada a crianças portadoras de deficiências. Esta iniciativa, bem como os seus 18 anos de carreira como Anjos, foram os motes de uma conversa com a CARAS que decorreu no Centro Equestre da Lezíria Grande, em Vila Franca de Xira.

– É fácil fazer um balanço?
Nélson –
O balanço é altamente positivo. Não estamos amargurados com nada nem com ninguém, e isso é importante. Sérgio – E as adversidades que fomos encontrando é que nos fizeram aquilo que somos. Os que nos acompanham ficam espan­tados quando percebem que ainda temos um ótimo ambiente quando andamos na estrada! E se voltássemos atrás, faríamos tudo da mesma maneira.
– Como todos os artistas, têm momentos altos e baixos...
Nélson –
É impossível um artista ou uma banda estar sempre em destaque!
Sérgio – Às vezes, as pessoas dizem que nos afastámos um bocadinho, mas faz parte, para depois lançarmos outro disco, com outro objetivo. Temos a noção de que houve alturas em que demorámos mais tempo, mas são estratégias. Não há um protótipo de sucesso.
– Foi fácil manterem-se fiéis ao vosso estilo?
Nélson –
Nós, equipa, olhamos para o que fizemos e faz sentido. Não há camaleões. A nossa carreira foi e é trabalhada na base da coerência, porque senão vamos enganar todos os que acreditam e gostam de nós porque somos assim.
Sérgio – Por vezes, é tenta­dor ir por onde o vento nos leva, e, enquanto produtores e compositores, acompanhámos a evolução, ouvimos outras coisas e inspirámo-nos noutros, mas mantendo sempre o nosso cunho pessoal. Não caímos na tentação do dinheiro fácil.
– Mas mudaram algumas coisas?
Sérgio –
Sim, estamos sempre à frente no pensamento. Sempre lidámos com malta nova, gente que quer mostrar o seu valor. Orgulhamo-nos de dar oportunidade a outros de se mostrarem. Como por exemplo esta nova música com o Kilate e produção do Agir, que tem um talento extraordinário. A filosofia dele é igual à nossa. Não existe preconceito, independentemente do estilo musical, desde que tenham valor. É um processo de crescimento contínuo. Lá está, manter a nossa imagem e evoluir. Obviamente que não podemos chocar um público que se mantém fiel, tem de haver esse cuida­do, mas jogamos com o risco.
– Já sentem os anos de carreira que têm?
Nélson –
Somos demasiado novos para os anos de carreira que temos. Estamos longe de ter um pé na reforma. Sentimos que fizemos a primeira parte, agora vamos à segunda, e esta será crucial.
– É fácil trabalhar em família?
– Desde miúdos que trabalhamos em dupla, fomos educados nesse sentido. Isso é a base de tudo. Os nossos pais foram peças fundamentais nesta relação, por toda a educação que nos deram. E que conti­nuam a dar!
– Prevê-se um ano de muito trabalho e de regresso à ribalta. Há uma estratégia definida?
– Vamos tentar! O arranque foi bom. Estamos à espera de entrar em algumas rádios onde ainda não estamos. Ao longo do ano vamos lançar alguns singles. Depois do É o Amor no verão passado, temos o segundo single, Dava Tudo para te Ter, que ainda muita gente precisa de ouvir. Temos outras duas músicas na calha e uma está pronta, foi o Sérgio que fez, com letra da Carolina Deslandes. O objetivo é lançar mais umas músicas, compilar tudo, alguns extras e partir para a edição física do álbum, que andou aqui um ano a maturar. Pode resultar, ou não, mas o que sei é que estamos altamente motivados para este novo trabalho, como se fosse o primeiro e as pessoas sentem isso!

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras