Nas Bancas

Sandra Celas: “Sinto-me cada vez melhor na minha pele”

A atriz e cantora, de 41 anos, passou uns dias em Marrocos com a filha, Miranda, de sete anos, que preferiu resguardar mantendo fora da reportagem fotográfica.

Ana Oliveira
2 de julho de 2016, 14:00

“A dificuldade de se ser artista é que temos de pensar que o mundo precisa de uma coisa que inventámos e convencê-lo disso”, diz Sandra Celas a certa altura desta conversa com a CARAS. “Claro que há trabalhos que nos encomendam, mas outras vezes temos de ousar, de ir à luta”, continua, explicando que foi esse processo que esteve na origem do projeto musical que criou com Alex Cortez, a banda Mur Mur, na qual é vocalista. Um trabalho que pretende conciliar com o de atriz, que continua a ser a sua principal ocupação. Foi por aí que começou a entrevista a propósito desta visita a Saïdia, Marrocos, que fez na companhia da filha, Miranda, de sete anos (da relação já terminada com o artista plástico António Jorge Gonçalves), e que prefere manter longe da ribalta, pelo que Miranda assistiu à sessão fotográfica do lado da câmara. Mas assim que aquela terminou, ‘voou’ para cima do dromedário que a mãe montara para as fotografias, ansiosa e simultaneamente receosa pela experiência. A atriz incentivou-a, como faz em geral quando toca a novidades.
Dir-nos-á mais tarde que pretende dar à filha toda a liberdade que puder, para que ela escolha o seu próprio caminho.
– A vocação artística vem de criança ou foi uma descoberta mais tardia?
Sandra Celas – Como venho de uma família sem tradição artística, apesar de os meus pais cantarem, embora não profissionalmente, acho que simplesmente não tive consciência disso nem ninguém procurou orientar-me para a vida artística. Mas acho que já lá estava, sim, sempre gostei de cantar e representar, só não tinha consciência disso, e acabei por ir fazer um curso de teatro com a minha irmã, porque ela queria e eu não tinha nada melhor para fazer.
– E depois de vários anos a trabalhar como atriz, agora iniciou uma carreira musical.
– Há cerca de três anos começaram a pedir-me muito frequentemente para cantar, depois o Zé Manel (Darko) convidou-me para fazer um dueto com ele, entretanto tinha entrado num programa de talentos na TVI [Canta por Mim], onde fiquei até à final... Estava num momento em que me sentia um bocadinho cansada de fazer sempre as mesmas coisas e precisava, talvez, de me reinventar. Pensei: porque não encontrar um repertório meu para cantar?
– Acabou a escrever as suas próprias letras e a compor algu­mas melodias.
– Sim, mas no caso das melo­dias, precisava de um músico, porque não tenho formação musical. Pego numa guitarra e crio uma melodia, mas só do ponto de vista da estrutura, depois preciso de alguém que a trabalhe e lhe dê a forma de uma canção. Na altura desafiei o Alex, achei que partilhávamos alguma linguagem musical, por coincidência ele estava com vontade de entrar num projeto novo, começámos a trabalhar juntos e a coisa foi fluindo. Digamos que ele embarcou um bocadinho na minha loucura, porque isto da vida artística... Temos de pensar que o mundo precisa de uma coisa que inventámos e convencê-lo disso [risos].
– Mas acabou por correr bem: têm dado concertos, agora com uma formação mais completa que inclui mais três músicos, e vão gravar um disco.
– Sim, tem corrido bem. Estou curiosa de saber o que é que as pessoas chamarão à nossa música... Todos temos influências diversas, o Alex, ex-Rádio Macau, vem do rock, eu... ouço tudo. Só não consigo ouvir heavy metal, mas o que me alimenta musicalmente é muito vasto, vai da clássica à world music, do jazz ao pop rock... Mas o que me faz vibrar a cantar andará entre o pop e o rock, com todas as fusões que possa haver aí. Há uma rebeldia no rock, uma explosão, que me diz muito.
– Isso coincide com a impres­são com que fiquei de si depois destes dias em Marrocos, pare­ceu-me que gosta de sair da norma, de seguir caminhos alternativos...
– Será verdade, sim, mas não é propositado, é uma coisa que me acontece, é orgânico. Já em criança a minha mãe me dizia que eu era esquisita [risos]. Acho que tenho tendência para escolher caminhos menos comuns, vem com a minha personalidade. Acho que se manifestou logo na infância: na escola primária não fiz um amigo. Só comecei a fazer amigos no liceu. Na infância acho que foi a minha irmã que me salvou, é onze meses mais nova e sempre fomos muito próximas. Até ao liceu, quando comecei a encontrar pessoas da minha ‘tribo’, sobrevivi solitariamente. Claro que tive momentos felizes, os meus pais eram fantásticos, estou a falar do ponto de vista da socialização. Foi um período angustiante, mesmo para esquecer. Tinha dificuldade em rela­cionar-me, porque me acontecia uma coisa muito estranha: achava sempre que era mal interpretada. Eu dizia uma coisa e as pessoas entendiam outra. O que é curioso, tendo em conta que hoje sou uma comunicadora [risos].
– Às vezes há uma certa sensibilidade social que se de­senvolve mais tarde.
– Se calhar foi isso. Hoje em dia sou muito sociável, gosto de conversar, tenho amigos de quem gosto muito. Mas não sou aquela pessoa que está sempre rodeada de gente, não é qualquer pessoa que escolho, ou que me es­colhe, para partilhar a minha intimidade.
– É óbvio que gosta de se resguardar, não terá sido por acaso que só se tornou público que estava separada do pai da sua filha um ano depois.
– Precisamente [risos]! Nisso se calhar não mudei assim tanto. Mas não sou saudosista, as dificuldades da infância ficaram no passado e a minha vida tem sido cada vez melhor. Sinto que vou cada vez mais ao encontro de mim própria, sinto-me cada vez melhor na minha pele.
– Tem uma relação muito próxima com a sua filha. Gostaria de ter mais filhos?
– Não sei. Para já, não, que encaro isto de ser mãe como uma profissão muito a sério [risos].
– Mas não teve mais filhos quando a Miranda era mais pequena porque não quis?
– Não era o momento, não quer dizer que não fizesse parte dos planos... Não digo que sim nem que não, estou um bocadinho aberta ao que a vida me trouxer. Fui mãe aos 33 anos e antes achava que não ia ter filhos... A vida trouxe-me essa surpresa e estou muito grata, porque é de facto maravilhoso, é uma experiência muito forte do ponto de vista do amor.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras