Nas Bancas

Fortuna de Prince continua a ser motivo de disputa

O músico não tinha filhos e não deixou testamento.

CARAS
9 de junho de 2016, 11:17

Prince morreu no passado dia 21 de abril, aos 57 anos, vítima de uma overdose de opiáceos. Para a posteridade deixou uma rica coleção de êxitos gravados e premiados, mas também uma fortuna milionária e uma série de temas inéditos prontos a ser comercializados e a render ainda mais dinheiro. Tudo isto seria fácil de distribuir se o artista tivesse filhos ou simplesmente tivesse deixado um testamento, o que não foi o caso. Aos seis irmãos que reclamam a fortuna do intérprete de Purple Rain – uma irmã, Tyka Nelson, de 55 anos, e cinco meios-irmãos da parte do pai – juntam-se agora o presidiário Norman Yates Carthens, que alega ter sido adotado por Prince e defende a existência de um testamento que o tornaria rico, e outra suposta meia-irmã, Regina Sorenson, que terá apresentado documentos em tribunal que confirma que ela e o cantor têm o mesmo pai. Já no mês passado, outro presidiário, Carlin Williams, a cumprir pena por posse de drogas e roubo de viaturas, alegou que é fruto de uma breve relação entre a sua mãe e a estrela da música, em 1976.
De acordo com a lei do estado norte-americano do Minnesota, os irmãos têm os mesmo direitos que os meios-irmãos, pelo que a confirmar-se a ligação familiar de todos os envolvidos, a fortuna avaliada em 264 milhões de euros poderá ser dividida em partes iguais. Este promete ser um processo demorado visto que até ao momento mais de 700 pessoas já reclamaram o direito à herança.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras