Nas Bancas

Diogo Piçarra e Mel Jordão: "Acima de tudo, entre nós há confiança"

O sucesso do músico parece ter encontrado paralelo à altura na vida pessoal.

André Barata
7 de maio de 2016, 12:00

Ao contrário do que costuma acontecer com outros cantores, só aos 15 anos nasceu em Diogo Piçarra, hoje com 25, a paixão pela música. Começou por tocar guitarra, criou uma banda e depois investiu na carreira a solo. Muitos castings e concursos de talento depois, a sua oportunidade chegou finalmente em 2012, quando ouviu o seu primeiro sim, na 5.ª edição do Ídolos. Quatro anos depois, está nas bocas do mundo e até já arrecadou vários prémios com o álbum de estreia, Espelho. Em palco é um artista versátil e salta do piano para a guitarra, en­quanto canta, por isso, quisemos conhecer o jovem artista em ascensão. Marcámos encontro com Diogo, que nos apresentou a namorada, Mel Jordão, de 29 anos, estudante de maquilhagem e styling, com quem partilha todo o seu sucesso há quase dois anos.
– Havia um plano que não a música para a sua vida...
Diogo Piçarra –
Tinha feito um curso de Línguas e Comuni­cação e estava a fazer um mestrado em Ciências da Linguagem. O meu objetivo era ser jornalista, tradutor ou professor de línguas. Mas participava no Ídolos e fui avançando no programa, até que congelei a matrícula no curso e dediquei-me à música. Na altura não achei que pudesse viver da música, tocava em bares, punha vídeos na Internet, mas era mais um hobby. Cheguei a trabalhar num tribunal, a fazer traduções, por isso já exercia algumas coisas que faziam parte do meu curso. Nunca me passou pela cabeça ganhar, mas quis aproveitar tudo aquilo para fazer alguma coisa.
– E aproveitou bem a oportunidade...
– Depois do programa, fui para Londres e quando regressei comecei a trabalhar no disco. Já tinha originais, portanto, foi trabalhar neles durante três anos neste disco, Espelho, de maneira a não ser só mais um que participou nos programas e desapareceu. O objetivo era conseguir ser um artista independente. Consegui, tive sorte e muito boas pessoas a trabalhar comigo. Não sei se quebrei uma barreira, mas a verdade é que trabalhei muito para isto. Estava no sítio certo à hora certa com trabalho nas mãos. Sempre fiz músicas e chegou a altura em que a minha editora me perguntou pelos meus originais e eu tinha-os comigo. Fiz o meu trabalho de casa.
– Imagino que o êxito deste disco tenha trazido grandes mudanças à sua vida...
– Foi radical no aspeto da visibilidade. Em termos musicais, conti­nuo o mesmo, estou no meu quartinho a fazer música. É óbvio que os concertos são muito maiores. Mudou o espetáculo, as redes sociais, mas continuo o mesmo e com o mesmo objetivo. Com responsa­bilidade acrescida. Quanto à fama, não penso muito nisso. Em Lisboa é muito calmo. Mas é bom ser reconhecido na rua, claro.
– E no meio disto tudo, apaixonou-se...
– Eu conhecia as irmãs da Mel mas nem sabia quem ela era e, por coincidência, fomo-nos encontrando... Há quase dois anos decidimos falar e a partir daí ficámos em contacto, já eu estava a viver em Lisboa, mas ia ao Algarve quase todas as semanas.
Mel – Entretanto eu vim para Lisboa estudar maquilhagem e styling, que é o que estou a fazer agora.
– Quer dizer que o Diogo já tinha aqui uma fã e nem sabia...
– Mesmo! Gosto muito da voz do Diogo. Eu é que canto em casa e lhe peço para cantar e para me ensinar [risos].
– Com uma maquilhadora em casa, até já pode ir maquilhado para os concertos...
Diogo – É verdade [risos]! Para os videoclips foi ela que fez tudo. A minha maquilhagem e a de todos os figurantes.
– Com todo este sucesso, é inevitável que surjam muitas fãs. A Mel é ciumenta?
Mel – E são giras [risos]! Acima de tudo, somos um casal normal, também temos ciúmes um do outro, mas é claro que nunca chegaram a um ponto que nos fizesse entrar em rutura. Acima de tudo, entre nós há confiança.
Diogo – Nós até brincamos com isso, com as fotos, com as frases de fãs, com os cartazes. Nunca afetou a nossa relação. É o meu trabalho e ela percebe. O essencial é sermos sinceros um com o outro. Se calhar há dois anos punha corações em todo o lado, mandava beijinhos às raparigas, e hoje já não faço isso [risos]. Há que ter respeito.
– Sendo o Diogo um romântico a escrever, também o é com a Mel?
Mel – Sim. Oferece presentes, faz surpresas, escreve bilhe­tinhos...
Diogo – Quando não vivíamos juntos era mais fácil fazer surpresas [risos]. Vamos fazendo coisas pequenas, marcamos um jantar, um passeio.
Mel – Acho que ele é mais romântico do que eu. Não é por ser ele homem e eu mulher, porque hoje em dia até já é normal as mulheres pedirem os namorados em casamento.
– E esse passo faz parte dos vossos planos?
– Ter filhos ainda não, mas casar, gostava muito.
Diogo – É o sonho de qualquer mulher. Como é normal, quer ir para o altar sem rugas [risos].
– Então 2016 poderá ser o ano do pedido...
– Antes de mais, é preciso estabilidade em termos de carreira, um segundo disco bom, a Mel com um emprego fixo, e aí sim, acho que tem de ser. Ainda para mais é uma data muito importante e especial, portanto, tenho de estar livre e tem de haver dinheiro, por isso temos de guardar esse passo para quando tivermos outra estabilidade. Não emocional, porque essa temos.
– Voltando ao trabalho: em sintonia com a música, lançou também um livro...
– “Diogo Piçarra em Pessoa”. Surgiu de um contacto da editora Between, que quis um livro que incentivasse os jovens a ler, a estudar poesia e literatura. Tem vinte poemas de Fernando Pessoa e vinte interpretações minhas. Inventei os meus heterónimos e o projeto consiste numa peça de teatro que levamos às escolas: uma pessoa faz de Fernando Pessoa, outra, de mim, e depois eu toco duas músicas que fiz para este projeto. É inovador e interessante. Ainda ponderei recusar, pela responsabilidade de me associar ao Fernando Pessoa, mas ainda bem que fui em frente, deu-me muito gozo e fiquei a conhecê-lo melhor.
– Prevê-se um ano recheado de trabalho...
– É verdade. Vou andar em digressão com este projeto e com o Espelho, com um espetáculo renovado. Tenho várias colaborações previstas e poderei ainda lançar um ou dois singles no final do verão. Estamos a pensar também pôr mais músicas nas telenovelas... Há muito por explorar neste disco.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras