Nas Bancas

PJF-LMAvenida-69.jpg

Paulo Jorge Figueiredo

Joana Vasconcelos: "Não sou refugiada, mas viajo muito e penso naquilo que é essencial para mim"

A artista plástica esteve na inauguração da Loja das Meias dias depois de ter estalado a polémica sobre a sua participação na campanha da RTP a favor dos refugiados e comentou a questão.

CARAS
25 de abril de 2016, 12:00

A semana ficou marcada por uma polémica associada à participação de Joana Vasconcelos na campanha da RTP E Se Fosse Eu?, que convidou figuras públicas a revelarem o que levariam consigo se tivessem que deixar o seu país para viver como refugiadas. A artista plástica respondeu: “Levava o meu caderno, para poder fazer desenhos. O meu iPad. Levava fones para ouvir música. Os meus lápis para fazer desenhos. Os meus óculos de sol, todas as minhas joias portuguesas. Levava as lãs e a agulha para qualquer eventua­lidade e o meu iPhone para poder comunicar com o mundo.” O facto de não ter mencionado nenhum bem essencial mereceu diversos comentários irónicos sobre a suposta futilidade da resposta, mas Joana Vasconcelos desvaloriza a questão e explica: “Faço muitas vezes a mala. Não sou refugiada, mas viajo muito e penso sempre naquilo que tenho de levar comigo e naquilo que é essencial para mim. Apesar de não ser uma situação de estar a perder a minha casa, é uma situação na qual tenho sempre de pensar no que levo.” A artista sublinha que considera importante, como figura pública, dar a cara por campanhas de solidariedade, pelo que não hesitou em aceitar este convite.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras