Nas Bancas

Rita Amaral Cabral: A mulher que acompanha todos os passos de Marcelo Rebelo de Sousa

É na sombra de Marcelo que a advogada, de 61 anos, acompanha de forma orgulhosa e com admiração o percurso escolhido pelo namorado de há mais de 30 anos.

Cristiana Rodrigues
27 de março de 2016, 16:00

Estão juntos há mais de 30 anos, mais pre­cisamente desde 1982. Não são casados e nem sequer partilham casa: ele vive em Cascais, ela, no Estoril. Marcelo Rebelo de Sousa e Rita Amaral Cabral são aquilo a que se pode chamar eternos namorados. Que encontramos todos os verões a apanhar sol ora na Praia do Ancão, ora na do Gigi, na Quinta do Lago, no Algarve. Também há momentos registados em casamentos e quando a ocasião tem a ver com solidariedade, como é o caso do Rastrillo, a Feira de Solidariedade da Novo Futuro, associação da qual é vice-pre-sidente. Já em eventos sociais é mais difícil encontrar uma imagem de ambos, porque são raras. A primeira vez que nos recordamos de terem aparecido juntos em público remonta a dezembro de 1997, na antestreia do filme de Joaquim Leitão Tentação, na Gulbenkian. Mas há registos recentes no Estoril Open, por exemplo. Agora que o professor, de 67 anos, foi eleito Presidente da República, a advogada, de 61, vai estar inevitavelmente no centro das atenções, embora não assuma o papel de primeira-dama, até porque, como declarou o próprio Marcelo recentemente, “não há nada na Constituição que obrigue a que haja uma primeira-dama”.
Mas afinal, quem é esta mulher que conquistou o coração do homem que a partir desta semana vai representar o país? Pois bem, Rita Maria Lagos do Amaral Cabral, de seu nome completo, nasceu a 21 de março de 1954, no seio de duas famílias abastadas de Oliveira do Hospital, Coimbra. Tem três irmãos mais novos, João Paulo, Manuel Gonçalo e Maria da Luz, todos filhos de Maria Elisabeth da Silva Lagos e de Joaquim Emílio do Amaral Cabral. A CARAS sabe que a advogada, apesar da aparência algo circunspecta, tem um sentido de humor apurado e junto do seu núcleo de amigos é muito sorridente e alinha nas brincadeiras. É discreta, inteligente e muito cúmplice de Marcelo, por quem nutre uma forte admiração. Preocupa-se bastante com o namorado, que por sua vez confia na opinião dela. Rita é o seu porto seguro. Fonte próxima do casal partilhou ainda connosco que a partir do momento em que Marcelo se candidatou à Presidência, a advogada da Amaral Cabral & Associados, que nunca incentivou propriamente a decisão, de imediato a apoiou e respeitou. Há uns anos, terá sido a advogada a convencer o atual Presidente da República a tornar-se comentador da TVI em vez de aceitar o mesmo cargo na SIC, a pedido de Miguel Pais do Amaral, na época casado com a irmã de Rita. E sempre teve opinião sobre as suas prestações televisivas, sugerindo temas ou discordando de algumas tomadas de posição, aconselhando prudência em certos assuntos. E foi ela também o maior motivo para Marcelo Rebelo de Sousa ter desistido, em 2009, da candidatura à liderança do PSD, por na altura a advogada estar com um problema de saúde que a obrigou a ser submetida a uma delicada intervenção cirúrgica ao coração.
De acordo com a biografia de Marcelo Rebelo de Sousa escrita por Vítor Matos e publicada por A Esfera dos Livros, fonte de informação para parte substancial deste texto, Rita conheceu o ex-líder do PSD quando estudava na Faculdade de Direito de Lisboa. Ele era assistente de Direito Internacional Público, ela, aluna daquela instituição e este primeiro encontro não pode ser descrito como particularmente agradável: Rita estava a fazer melhoria de nota e, diz-se que por mera teimosia, o professor manteve-lhe o 11. Seguiu-se outro exame oral, dessa vez com mais sucesso. Mas foi alguns anos depois, em 1981, quando ficaram a fiscalizar uma urna de voto nas eleições para o Conselho Diretivo da faculdade, que acabaram por jantar a sós e estreitar relações. O namoro foi o passo seguinte, o casamento nunca fez parte dos planos dos dois. Aliás, o ex-comentador da TVI chegou a dizer numa entrevista a Clara Ferreira Alves ao semanário Expresso, em 1996: “Não me voltarei a casar nunca mais, por razões de princípio. A Igreja Católica não aceita o divórcio, e eu concordo. E recuso-me, pelas mesmas razões de princípio, a pedir a anulação do casamento.” Decisão aparentemente nunca contestada pela advogada, que nunca foi casada e não tem filhos. Recorde-se que Marcelo foi casado durante oito anos com Ana Cristina Motta Veiga, de quem tem dois filhos, Nuno, de 42 anos, e Sofia, de 39.
E pode dizer-se que o casamento não parece fazer falta à relação de Marcelo com Rita, ao lado de quem o novo Presidente declarou à CARAS no verão de 2013, precisamente quando passavam férias no Algarve: “Uma pessoa que não tem uma estabilidade pessoal apreciável acaba por se ressentir na sua vida profissional. Tudo o que faço exige um pano de fundo pessoal muito estável, e felizmente isso acontece.”

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras