Nas Bancas

Pedro e Mariana Couceiro: “É um bebé planeado e desejado”

O ex-piloto e a ‘controller’ financeira preparam-se para ser pais de Caetana, em julho.

Andreia Cardinali
26 de março de 2016, 14:00

Casados há seis meses e juntos há dois anos, Pedro e Mariana Couceiro, de 45 e 30 anos, respetivamente, preparam-se para ser pais de Caetana, que nascerá em finais de julho. A gravidez, planeada e muito desejada, trouxe mais uma alegria ao ex-piloto de automóveis e à controller financeira do grupo Sea Me, que vivem todos os momentos a dois com muita intensidade.
A filha de Pedro, Inês, de nove anos, nascida do seu primeiro casamento, com Sofia Carvalhosa, tem sido a mais entusiasta, pois já há algum tempo que pedia uma irmã.
– Como está a correr a gravidez?
Mariana –
Lindamente. O habitual em alturas como esta... Alguns enjoos, nada de sono a mais... Está tudo bem.
– Foi um bebé desejado e planeado?
É um bebé muito desejado e planeado.
Pedro – Nos casámo-nos em setembro e no ano passado já tínhamos falado sobre isso. Deadpois, como decidimos casar-nos, chegámos à conclusão de que o melhor seria fazer as coisas by the book. Eu dizia à Mariana que queria voltar a ser pai até aos 48 anos, e correu bem [risos]. Sou muito matemático, quase obsessivo-compulsivo, por isso, comigo tem de ser tudo programado...
Mariana – Eu sempre quis ser mãe o mais cedo possível, para haver pouca diferença de idades, e até acho que já vou tarde.
– E a Inês, como reagiu quando soube que ia ter uma irmã?
Ficou mega feliz, porque ainda para mais queria uma menina, tal como o Pedro.
– Isso quer dizer que ficaram contentes por ser uma menina?
Eu fico feliz com qualquer coisa, já que é o primeiro, mas como já temos uma rapariga em casa, confesso que preferia um rapaz.
Pedro – Eu estou muito feliz por ser uma menina. Vou adorar ter três mulheres em casa! A Inês é muito minha companheira, acho que as miúdas são fantásadticas e tenho a ideia de que os miúdos são mais chatos, mais irrequietos. Eu sou uma pessoa calma e não gosto de muita confusão à minha volta, as meninas são mais tranquilas e são sempre muito queridas com os pais. É isso que espero outra vez [risos].
Mariana – Ainda vem aí uma nada tranquila [risos]!
– Mariana, o Pedro tem sido um companheiro presente nesta fase?
Sim, acompanha-me para todo o lado, a cada consulta e ecografia...
– O facto de o Pedro já ser pai traz-lhe alguma tranquiadlidade?
Por norma, sou uma pessoa tranquila e levo tudo calmaadmente, mas claro que a experiênadcia dele ajuda. Sei que posso confiar sempre na opinião dele...
– Pedro, há alguma diferença na Mariana, já que as mulheres mudam nesta fase...

Bem, não devia dizer isto, mas há [risos]! Não é fácil... [risos] O temperamento muda um pouco mas é um trabalho que temos de fazer durante estes meses, para que a criança não venha com choques de adreadnalina [risos].
Mariana – Até parece que é assim uma coisa! Eu acho que estou impecável e que não mudei nada [risos].
– Já começaram a preparar a chegada da bebé ou ainda é cedo?
Ainda não. Já pensámos nisso, mas ainda falta um bocado. Ainda nem sequer me permiti começar a perder a cabeça, pois sei que com uma menina isso acontecerá inevitavelmente.
– E já conversaram sobre as mudanças que um bebé trará à vossa vida a dois?
Mariana –
Até antes de estar grávida. Aliás, sempre conversámos sobre isso. Para não haver conflitos nas decisões que depois possamos tomar, tivemos o cuidado de conversar bastante. Para mim, não seria um assunto a abordar antes das alturas em que fosse necessário, mas para o Pedro era importante que o fizéssemos.
Pedro – Julgo que se conseguirmos antecipar alguns cenários, isso pode ajudar. Já basta as situações de que não estaremos à espera. Acho que antecipar a surpresa pode ajudar. Todos nós, às vezes por um cabelo, podemos criar uma tempestade... Se conseguirmos gerir ou antecipar alguns problemas, evitamos alguns aborrecimentos. O nascimento de uma criança traz sempre alterações, e para quem tem uma vida tão esquematizada como nós, vão surgir naturalmente coisas diferentes. Mas está tudo controlado. Quero ser pai e mãe. Só assim faz sentido. Eu estou radiante... vou ter três mulheres em casa. Acho que para um homem é a melhor coisa que pode acontecer!
– Esta paternidade está a ser vivida de forma diferente do que a da Inês?
É difícil responder. Sei que estou muito feliz, mas a grande diferença, acima de tudo, é que estou a viver esta paternidade com uma filha ao lado. Costumamos dizer que a nossa maior felicidade é vermos os nossos filhos felizes, e ver a felicidade da Inês com a Mariana é muito bom. Ver que a estrutura que criámos enquanto família resulta e está enraizada deixa-me bastante contente. E estou muito otimista em relação a tudo. A Inês estava sempre a pedir uma irmã e estou muito expectante.
– Mariana, a sua relação com a Inês foi sempre cúmplice?
Por acaso foi, desde o primeiro dia. Tive sorte! E agora, com a gravidez, tem sido maravilhoso. A Inês está sempre agarrada à minha barriga e não consegue ir dormir sem dar um beijinho à irmã. Está no auge da felicidade!
– Pedro, pretende assistir ao parto?
Nunca desmaiei na vida e não quero que isso aconteça agora, aos 46 anos [risos]! Acho que não vou assistir... já estou a imaginar os médicos à minha volta em vez de estarem à volta da Mariana [risos].
– A escolha do nome foi consensual?
Mariana – O Pedro não morreu de amores pelo nome ao início, mas eu e a Inês conseguimos convencê-lo.
– Acabaram de regressar de Nova Iorque. Calculo que todos os momentos agora sejam aproveitados para namorar...
Mariana –
Já eram antes. Mesmo cá, aproveitamos sempre, não precisamos de viajar para isso.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras