Nas Bancas

Vasco Vieira: Um arquiteto que sabe como fazer sonhar

Filho de portugueses que emigraram para a África do Sul, foi lá que estudou até aos 25 anos. Agora, é em Portugal que aposta, tendo já integrado listas que selecionam os melhores arquitetos do mundo.

André Barata
6 de fevereiro de 2016, 16:00

Há casas que nos fazem sonhar e as de Vasco Vieira estão frequentemente nesse grupo. O arquiteto, de 46 anos, nascido em Joanesburgo, na África do Sul, é um dos mais bem sucedidos da área e em Portugal tem trabalhado sobretudo no Algarve, um mercado, mais internacional. Casado e pai de uma adolescente, foi num dos seus projetos mais recentes, precisamente no Algarve, que posou e conversou com a CARAS.
– Fale-nos um pouco do seu percurso.
Vasco Vieira –
Os meus pais são portugueses, foi cá que se casaram, e mais tarde decidiram ir viver para a África do Sul. Foi lá que nasci e depois, aos 25 anos, terminados os estudos, regressámos a Portugal. Seis meses depois encontrei um ateliê em Coimbra e comecei a trabalhar, mas sempre com o Algarve na minha cabeça. Já cá tinha estado durante um ano e sabia que era aqui que haveria de trabalhar.
– E de onde vem este gosto pela arquitetura?
Sempre gostei de desenho e foi por aí que tudo começou. Aos 11 anos já desenhava moradias e fiz o meu primeiro projeto com essa idade. Os meus pais não têm nada a ver com esta área mas sempre gostaram muito de artes, o que poderá ser uma explicação para me ter interessado tanto pela área. Sempre soube o que queria ser e consegui.
– Viemos fotografá-lo a uma das casas que projetou. Onde é que vai buscar inspiração?
Em primeiro lugar, ao local. As vistas, a exposição solar, a paisagem, isso é a minha inspiração. Em segundo lugar, aos proprietários em si. Faço por conhecer bem os proprietários, saber os seus gostos, perceber de que maneira utilizam e vivem a casa e a partir daí desenvolvo o projeto.
– Diz que sempre quis trabalhar no Algarve. Há alguma razão específica?
Não sou uma pessoa de cidade. O Algarve lembra-me a África do Sul, por ter tantos espaços amplos. Em Portugal, é o melhor sítio para se viver! É uma sorte poder trabalhar num sítio onde gosto de viver.
Depois da criação do seu ateliê, Arqui+, em 2003, começou a ser reconhecido lá fora...
É verdade, já recebemos muitos prémios, nem sei quantos! Um dos primeiros que ganhámos, ou ganhei, foi entregue pela revista Homes Overseas, com uma das nossas moradias e também alguns apartamentos a serem selecionados como os melhores do nosso país. Depois, em 2004, a mesma revista fez uma lista daqueles que considerava os melhores dez arquitetos do mundo e incluíram-me.
– Soube-lhe bem este re­conhecimento pessoal?
Foi espetacular [risos]. Ainda por ci­ma ganhei o prémio quando montei a Arqui+, portanto, foi no momento ideal.
– Na sua opinião, porque acha que é somente reconhecido no estrangeiro?
Acho que tem a ver com o facto de o mercado aqui no Algarve ser muito direcionado para os estrangeiros. Neste momento já sentimos algum reconhecimento a nível na­cional. Temos sido convidados para fazer projetos em Lisboa, Ericeira, Leiria, entre outros, por um cliente português que conhece os bons arquitetos que existem em Portugal, portanto, é um bom sinal.
Que tipo de pessoas o procuram?
Já fiz casas para jogadores de futebol, estrelas de cinema inglesas e, mais recentemente, em Portugal, fiz uma moradia para a Cristina Ferreira. Procurou muitos ateliês, não conhecia o nosso, mas gostou e escolheu-nos de entre muitos outros.
– Há muita competitividade neste mercado?
O Algarve continua a ter um boom na construção. Há concorrência, mas desde que faça o meu trabalho, não me preocupa.
– É uma profissão exigente... Como é o dia-a-dia de um arquiteto?
Trabalho das oito da manhã até às dez, onze da noite. Trabalho muito aos fins de semana, é a única altura em que consigo projetar. Durante a semana é só reu­niões e controlar obras. Não estou sozinho, tenho comigo no ateliê 15 pessoas, que trabalham também no design de interiores, e temos 35 a 40 obras em curso, fora os 50 projetos.
– Há alguma imagem de marca nas obras que cria?
A ligação exterior/inte­rior está presente em todas as minhas construções. Não há barreiras, há uma fluidez e isso para mim e para o clima que temos é fundamental.
– Tem alturas em que se sente menos inspirado?
Eu projeto a desenhar, portanto, não tenho tendência para bloquear a minha criatividade. As maiores dificuldades têm a ver com a parte buro­crática. É a parte mais com­plicada em todo o processo. É uma profissão que me dá muito gozo. A única parte chata são os licenciamentos. Às vezes temos de ceder e não fazemos tudo como queremos, por questões legais, por isso temos de ser criativos. É mais fácil trabalhar lá fora, porque a parte burocrática não tem de ser trabalhada por nós.
Já percebemos que trabalha muito... Há alguma vida por detrás do Vasco, o arquiteto?
[risos] Sim, há! Tenho uma mulher fantástica, a Kim, e uma filha maravilhosa, com 16 anos, a Natasha. Fazemos muitas coisas em família. Temos uma vida em família e a minha vida social é passada com elas.
A Kim trabalha consigo?
Trata da parte administrativa do ateliê. Não tem formação na área da arquitetura e isso é ótimo. Quando tenho um projeto, mostro-lho e ela consegue vê-lo com outros olhos.
– Consegue equilibrar o trabalho com a vida familiar?
Por não ter tanto tempo como desejaria é que faço todos os projetos em casa, de maneira a estar perto delas.
– Algum desejo para o novo ano que se aproxima?
Para já, quero ver terminado o nosso novo ateliê, que está em construção e terá um showroom, uma galeria. Queremos criar quase um espaço cultural.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras