Nas Bancas

Bibá Pitta: “O mimo, os afetos e o amor ultrapassam os problemas”

Fotografámos Bibá ao lado de Maria, que está à espera do primeiro filho, e de Madalena, que fez 18 anos.

Cristiana Rodrigues
16 de janeiro de 2016, 16:00

Bibá Pitta, 50 anos, mãe de cinco filhos, casada com o médico Fernando Gouveia. Aqui, nesta produção, aparece com a ‘ala’ feminina lá de casa. Maria, de 23 anos, a mais velha, que vai ser mãe de um rapaz, Duarte, em fevereiro do próximo ano, e Madalena, que atingiu a maioridade no passado dia 19, a filha que nasceu com um cromossoma a mais. As três criam um elo inabalável. São cúmplices, amigas. Também discutem. Mas, no fundo, não conseguem viver umas sem as outras. É nelas que esta entrevista se vai focar. Vamos então por partes.
– Bibá, estão as três numa fase feliz?
Bibá Pitta – Estes dois anos foram de altos e baixos a nível sentimental. A morte da minha mãe foi um rasgo enorme na minha vida, foi quase como se começasse de novo. Depois, foi a vez da Maria, que começou a trabalhar, foi viver sozinha e entretanto ficou grávida. E a Madalena fez 18 anos! A Madalena é aquele filho diferente que não sabemos qual é o caminho que vai seguir. Não projetamos nada. Mostramos-lhe as opções e ela vai fazendo as suas escolhas. E estou completa­mente orgulhosa dela.
– Acha que tem feito um bom trabalho enquanto mãe?
– Tenho a certeza de que o mimo, o amor, a linguagem dos afetos, ultrapassa qualquer problema que tenhamos. A Ma­dalena, apesar de ser diferente, é uma grande mulher. E é a ela que se deve esse esforço.
– Como é a Madalena hoje em dia? Imaginava que seria assim?
– Acreditei sempre que fosse assim. A Madalena é genuinamente amada e o facto de a termos aceitado como ela é fez com que ganhasse uma grande autoestima. Ela sente-se amada e respeitada.
– E como é o relaciona­mento dela com os irmãos?
– A Mada­lena relaciona-se de forma diferente com cada um dos irmãos, mas ado­ra-os a todos. Eles têm também por ela um amor incondicional e acreditam nela da mesma forma que eu e o pai. Sinto-me confortada por saber que um dia em que eu não esteja eles vão olhar por ela.
– Além da família, ela conta certamente com o amor de alguns amigos...
– Sim, ela tem tido também a sorte de, ao longo dos anos, se relacionar com pessoas que lhe dedicam a vida. Para amar alguém diferente é preciso ter um coração bom, porque há pessoas que não conseguem olhar para a diferen­ça com bons olhos.
– E agora vamos virar as atenções para a Maria...
– [risos] Estou tão feliz! Aos 50 anos vou ser avó e isso enche-me de alegria, porque vou poder gozar este neto, mimá-lo, ‘roubá-lo’ à mãe...
Maria – [risos] O bebé vai ser só meu e só vai gostar de mim...
– Maria, certamente não esperava ficar grávida aos 22 anos...
– Há um ano eu dizia que não queria ter filhos, mas aconteceu...
– Foi um choque?
– Nem por isso. E depois, o que é que eu poderia fazer? Nunca me passou pela cabeça não ter este bebé, por isso, o que fiz foi reorganizar a minha vida. Quando soube já estava de dois meses, trabalhava como assistente de bordo, viajava bastante e tive de passar para terra.
– Foi difícil ter de alterar a sua vida profissional?
– Curiosamente, foi o que menos me custou. Adorava o que fazia, era maravilhoso, o ambiente era ótimo, e é disso que tenho saudades, mas não me imagino a fazer a mesma coisa. Depois, não deixei de o fazer porque fiquei doente. Estamos a falar de uma vida, da vida do meu filho...
– Custou-lhe dar a notícia à sua mãe?
– Foi horrível! Nem sequer consegui contar assim que soube. Estive uma semana a pensar como é que o iria fazer, depois ainda fui ao médico e só quando soube que estava tudo bem é que lhe contei.
– E qual foi a reação?
– Bem, houve uma mudança facial de segundos. Mas apoiou-me logo, claro. E ainda que não o tivesse feito, eu teria o bebé à mesma.
Bibá – Este bebé era o que nos falta­va. Depois da morte da minha mãe, sentimos uma lacuna horrível. Deixámos de ouvir a palavra avó e agora vamos poder ouvi-la outra vez.
– Mas não estava à espera...
– Não, não estava. Mas ainda bem que ela está à espera de bebé e, se aconteceu de forma rápida ou precipitada, é um problema dela, a intimidade é dela e só a ela lhe diz respeito. O que me interessa é que este bebé nasça com saúde, com muito amor. E vamos todos ajudar para que seja um bebé feliz, para que eles sejam uma família feliz.
– Sente-se mais mimada agora?
Maria – Muito mais, pela primeira vez na vida [risos]!
Bibá – Ela foi a primeira a nascer. Depois nasceram mais quatro e a Maria sempre foi dando o palco aos irmãos. Neste momento, está a usufruir de todas as atenções, está muito mimada e muito contente.
– Idealiza um dia casar-se?
Maria – Idealizo um dia ter mais filhos e viver com a minha família. Nunca pensei em casar-me nem acredito muito no casamento. Para me casar tinha de ser para o resto da vida, e não consigo imaginar-me assim. Idealizo dar-me bem com a pessoa com quem estou e que seja um bom pai para o meu filho.
– Nunca nos apresentou o pai do seu filho...
– O Gui é discreto, não gosta de aparecer e quer que assim continue. E eu respeito-o.
Bibá – Tenho a sorte de ter um genro amoroso, que me dá o meu espaço enquanto sogra e que está preparado para eu lhe tirar o filho dos braços para o mimar [risos].
– A entrarmos também num novo ano, o que é que deseja para as suas duas filhas?
Bibá – Para a Madalena, espero que a vida lhe sorria como até agora e que um dia que eu cá não esteja a acolham e nunca a ponham de parte. A Maria, tenho a certeza de que será uma boa mãe e desejo que seja muito muito feliz. Depois, espero que o meu neto nasça com muita saúde e que se ele se apaixone loucamente por mim. Já é um bebé cheio de sorte, porque toda a gente à sua volta está doida para o amar. E não posso não deixar de referir os meus três filhos e o meu marido. A minha vida sem eles seria im­possível. Amo-os loucamente.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras