Nas Bancas

'Glamour' na festa do cinema e da televisão portugueses

Os vestidos longos, de cores sóbrias e corte elegante, e a maquilhagem discreta predominaram na passadeira dos Prémios Áquila. Nenhum pormenor foi deixado ao acaso nesta noite de festa.

CARAS
19 de dezembro de 2015, 00:42

A Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, foi palco de um desfile de elegância e glamour na noite em que recebeu a segunda edição dos Prémios Áquila, uma cerimónia anual que premeia o que de melhor se faz no cinema e na televisão portugueses. Vestidos compridos, brilhos e tons sóbrios predominaram nesta festa da ficção que acabou por ser também palco para a beleza das muitas atrizes e profissio­nais de televisão que fizeram questão de estar presentes.
Ao longo de mais de duas horas, foram premiados atores e atrizes, realizadores e argumentistas, filmes e telenovelas, numa cerimónia onde não faltou o humor e a música. João Reis foi eleito o Melhor Ator Principal na categoria de Televisão. “O prémio é bonito. É uma sensação boa, de reconhecimento. Parto sempre do princípio que o público está mais inclinado para os personagens bonzinhos. Mas fico muito grato por me terem escolhido. É a prova de que, apesar de ser um vilão, as pessoas gostam do meu trabalho”, começou por assumir o ator. “Não estava nada ansioso, não costumo ficar ansioso com estas coisas. Obviamente que fiquei contente, porque o reconhecimento pelo nosso trabalho é sempre bom. Ainda por cima em televisão... Já há muito tempo que não há prémios de televisão e se voltaram a recuperar esses prémios, acho que sim, ajuda a dignificar o nosso trabalho. Para mim, não há atores de cinema, de televisão ou de teatro. Há atores. Tendencialmente gosto mais de fazer teatro, mas quando faço televisão também gosto de ver o meu trabalho reconhecido e acho que falta mais reconhecimento”, sublinhou. Paulo Pires foi outro dos nomes da noite, tendo arrecadado o prémio de Melhor Ator Secundário pelo seu papel na telenovela A Única Mulher. “Não estava nada à espera de receber este prémio. Foi uma surpresa e é um prémio que o público e esta personagem me dão. Tenho-me divertido a fazer esta personagem e, normalmente, os prémios são dados no fim de alguma coisa. Esta novela não está no fim e agora vou cheio de alento para continuar a trabalhar”, reconheceu o ator, visivelmente feliz.
Ruben Alves, que no ano passado foi galardoado com o Prémio Condor, fez questão de estar presente e apoiar esta iniciativa, que defende ser fundamental para a classe. “Galas não faltam em Portugal, mas galas como esta, que junta duas categorias como o cinema e a televisão, em que é o público que vota, são muito importantes. São precisas mais coisas como esta, que refletem uma nova geração cheia de ambição fresca”, afirmou o cineasta, que está neste momento a editar um documentário da sua autoria.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras