Nas Bancas

Rui Chafes recebe Prémio Pessoa 2015

O escultor é a 29.ª personalidade a ser distinguida com o galardão atribuído pelo 'Expresso'.

Divulgação
11 de dezembro de 2015, 13:08

Rui Chafes é o Prémio Pessoa 2015. O Prémio Pessoa é concedido anualmente à pessoa de nacionalidade portuguesa que durante esse período e na sequência de uma atividade anterior tiver sido protagonista de uma intervenção particularmente relevante e inovadora na vida artística, literária ou científica do País. Esta é a 29.ª edição do Prémio Pessoa, uma iniciativa do EXPRESSO com o patrocínio da Caixa Geral de Depósitos.
"Reunido em Seteais, o Júri do Prémio Pessoa 2015, constituído por Francisco Pinto Balsemão (Presidente), Álvaro Nascimento (Vice-Presidente), António Barreto, Clara Ferreira Alves, Diogo Lucena, Eduardo Souto de Moura, João Lobo Antunes, José Luís Porfírio, Maria Manuel Mota, Maria de Sousa, Pedro Norton, Rui Magalhães Baião, Rui Vieira Nery e Viriato Soromenho-Marques, decidiu atribuir o Prémio Pessoa 2015 a Rui Chafes.
Nascido em Lisboa, em 1966, Rui Chafes é formado em Escultura pela Escola Superior de Belas Artes de Lisboa (1984-1989). Entre 1990 e 1992, estuda com Gerhard Merz, na Kunstakademie Düsseldorf. Durante a sua estadia na Alemanha traduziu “Fragmentos de Novalis” (1992).
As suas primeiras exposições, em 1986 e 1987, são marcadas pela criação de instalações com materiais precários, que, de pronto, foram substituídos por ferro pintado de preto; um meio mais eficaz de ocupar e desenhar o espaço, que subverte as condicionantes normais do museu e da galeria, como se viu na sua exposição “O Peso do Paraíso”, do Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, em 2014. Atualmente, na exposição “Desenhar”, no Atelier-Museu Júlio Pomar, a sua obra entra em contraponto com o desenho de Pomar, flutuando no espaço central do atelier.
Tem realizado importantes trabalhos, em colaboração com artistas de outras disciplinas, de que são exemplo “Comer o Coração”, com a bailarina e coreógrafa Vera Mantero, Bienal de São Paulo, 2004; “Fora/Out”, com o cineasta Pedro Costa, Serralves, 2005/2006.
A sua obra tem sido editada em sucessivos volumes: “Würzburg Bolton Landing”, com peças de 1987 e 94; “Harmonia”, esculturas de 1995 a 98; “Durante o Fim” para a antalógica realizada em Sintra, no Parque da Pena e no Museu da Coleção Berardo, 2000; e “Um Sopro”, de 1998 a 2002. “Entre o Céu e a Terra (A história da minha vida)”, 2012, é, fundamentalmente, um mergulho nas suas próprias raízes, que vai até ao coração da Idade Média, 1266.
Rui Chafes consegue o feito raro de produzir uma obra simultaneamente sem tempo e do seu tempo””, pode ler-se na ata da reunião do júri.
O "Prémio Pessoa" é uma iniciativa anual do jornal EXPRESSO com o patrocínio da Caixa Geral de Depósitos, cuja designação se inspira no nome de Fernando Pessoa, e que se propõe reconhecer a atividade de pessoas portuguesas com papel significativo na vida cultural e científica do país. Contra a corrente de uma velha tradição nacional, segundo a qual a projeção de algumas obras da maior importância só foi verdadeiramente alcançada depois da morte dos seus autores - e foi esse, precisamente, o caso de Fernando Pessoa -, o Prémio Pessoa pretende representar uma nova atitude, um novo gesto, no reconhecimento contemporâneo das intervenções culturais e científicas produzidas por portugueses.
O "Prémio Pessoa 2015" será constituído por um diploma e uma dotação em dinheiro no valor de 60.000 euros.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras