Nas Bancas

Justin Bieber: De menino-prodígio a jovem problemático

O cantor, de 21 anos, admite que nem sempre consegue lidar com a fama.

CARAS
12 de novembro de 2015, 12:55

Agressões, acidentes de carro, entrevistas interrompidas e abandono do palco em pleno concerto. Estas são apenas algumas das coisas menos boas que têm marcado a carreira de Justin Bieber nos últimos tempos. Aos 21 anos, o artista admite que o preço a pagar pela fama pode ser muito alto e que, no seu caso, inclui momentos de grande depressão, isolamento e traições. “Só quero que as pessoas percebam que sou humano. Estou a lutar para ultrapassar os momentos negativos. Acredito que não sou o único, muita gente se debate com o mesmo problema”, afirma Bieber numa entrevista sincera, na qual atribui os seus problemas ao facto da sua imagem ter sido promovida de forma errada. “O grande erro foi a forma como a marca Justin Bieber foi apresentada ao público: uma estrela pop impressionante e fantástica, que tinha um cabelo lindo e uma imagem imaculada. É impossível viver assim, ninguém é perfeito. E quando as pessoas perceberam que aquilo não existia, afastaram-se e puseram-me de parte. É como se eu tivesse deixado de ser um modelo a seguir”, desabafa, adiantando que passou por momentos dolorosos: “Quando estamos em digressão sentimo-nos sozinhos. Às vezes, as pessoas só conseguem ver as coisas fantásticas que temos, mas não conhecem a parte menos boa desta vida. No fundo, a vida real passa-nos ao lado. Sinto-me profundamente deprimido muitas vezes. E isolado. Ficar num quarto de hotel fechado, com fãs e paparazzi por todo o lado, sabendo que não podemos sair de forma tranquila, pode ser angustiante. Não desejo a ninguém passar por isso”.
Recorde-se que Justin Bieber começou por publicar vídeos das suas performances no Youtube e, em 2007, despertou a atenção de um agente. Dois anos depois arrancou a sua carreira profissional com a gravação do disco My World, que conta com temas de grande sucesso, como One Time, One Less Lonely Girl, Love Me e Favorite Girl. Depois lançou My World 2.0 (2010), Under The Mistletoe (2011) e Believe (2012). Prepara-se para apresentar um novo trabalho e começar uma nova digressão no próximo ano.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras