Nas Bancas

As imagens do casamento de João Moura Jr. e Concha Rodríguez Díaz, em Elvas

“Ver a Concha entrar foi uma das sensações mais bonitas que tive na vida.” (João Moura Jr.)

CARAS
29 de outubro de 2015, 15:00

João Moura Jr., de 26 anos, e Concha Rodríguez Díaz, de 28, conheceram-se na Feira de Badajoz, há mais de dez anos, e estão juntos há quase oito. Tempo mais do que suficiente para que percebessem que a vida faria mais sentido se a partilhassem. “O pedido de casamento foi feito em junho do ano passado, mas era uma coisa falada entre nós há algum tempo, até porque já moramos juntos há dois anos”, contou o noivo, que chegou à igreja de braço dado com a mãe, Maria Teresa Braz.
Cumprimentado e acarinhado por cada um dos convidados à medida que estes iam chegando à Igreja de Nossa Senhora da Assunção, em Elvas, o cavaleiro tauromáquico explicou que o apoio da sua noiva e da respetiva família tem sido fundamental no sucesso da sua carreira: “A Concha tem acompanhado o meu percurso e tem sido fundamental em cada passo que dou, assim como a família dela, que nos tem dado bastante apoio.”
Trinta minutos depois da hora marcada para a cerimónia, 17h, e já com a chuva a dar tréguas, a noiva chegou num carro antigo branco e dirigiu-se ao altar acompanhada pelo pai, António Rodríguez, ao som da música Lascia Chi’o Pianga, de Häendel. Num longo vestido branco com mangas compridas da marca Rosa Clará, adornado por um cinto Swarovski, a noiva escolheu uma joia de família com brilhantes para segurar o véu e enriqueceu a indumentária com um par de brincos oferecidos pela mãe do noivo, encantando os presentes com a sua beleza e serenidade.
Após a missa, celebrada em português, com algumas orações em espanhol, nacionalidade da noiva, João e Concha eram a imagem do casal feliz e, muito sorridentes, partilharam com a CARAS aquilo que tinham sentido quando os seus olhares se cruzaram. “Senti-me muito feliz, e ver a Concha entrar foi uma das sensações mais bonitas que tive na minha vida”, desabafou o toureiro, enquanto a higienista dentária acrescentou: “Fiquei muito emocionada, mas assim que o João me deu a mão e subimos para o altar fiquei muito mais tranquila. Pensei que fosse emocionar-me do início ao fim. Ele, que sempre disse que não choraria, emocionou-se no final e eu, que dizia que estaria todo o tempo com o coração nas mãos, acabei por me aguentar sem estragar a maquilhagem.” [Risos]
Com o regresso da chuva, João e Concha dirigiram-se com os mais de 300 convidados para a Herdade das Arengozinhas, propriedade do noivo, onde decorreu o copo d’água.
Com mestria e muita elegância, Concha fez questão de unir a tradição do seu país à do seu marido, sem nunca esquecer que a diversão era a palavra de ordem, já que a maioria dos convidados era bastante jovem. “Tentei que fosse uma grande mistura. Sempre tive em mente que não queria um casamento repleto de tradições, mas sim uma festa, uma grande festa”, explicou a noiva depois de abrir a pista com o marido, ao som da música Solo Tu, de Pablo Alborán.
A festa prolongou-se pela madrugada fora e a lua de mel será iniciada no próximo dia 15, com uma semana passada no México e outra na Califórnia.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras