Nas Bancas

Luís Buchinho fala dos seus 25 anos a fazer moda: “Tem sido incrível”

O estilista recebeu-nos na sua loja/ateliê na Rua José Falcão, na Baixa do Porto, onde nos últimos oito anos tem desenvolvido a marca Luís Buchinho.

Joana Brandão
4 de outubro de 2015, 10:00

No ano em que comemora as suas bodas de prata com a moda, Luís Buchinho diz que prefere olhar para a frente, trabalhar o futuro da marca, mas não deixa de ser com orgulho que revê as imagens do seu primeiro desfile na ModaLisboa, tinha então 21 anos. Natural de Setúbal, o estilista mudou-se para o Porto aos 16 anos, para estudar Design de Moda no Citex, e acabou por se radicar na Invicta. É na Baixa que tem a sua loja/ateliê e é a partir de lá que trabalha para todo o mundo. Com a sua marca presente em 19 países, dos EUA à Ásia, Luís Buchinho só lamenta o preconceito que ainda existe entre os portugueses na hora de comprar moda “made in Portugal”.
Após 25 anos, o estilista conti­nua a trabalhar para se superar a cada coleção. “Quando se deixa de criar o efeito surpresa, entra-se num caminho perigoso”, defende.
– Que balanço faz destes anos?
Luís Buchinho – Têm sido incríveis! E a verdade é que não dei pelo tempo passar. Trabalho estação após estação, procuro sempre superar-me, ir mais longe, de forma a que as coleções vinguem nacional e interna­cionalmente.
– Costuma revisitar as cole­ções passadas? Como vê as imagens do seu trabalho nos anos 90 e 2000?
– Mais do que rever os desfiles, gosto de consultar os meus sketchbooks, onde encontro esquissos com ideias que ficaram pelo caminho. Este ano tem sido especial, porque estamos a compilar o histórico destes 25 anos, e gostei de ver as imagens do início, onde denoto inocência, mas também encontro coleções muito bem estruturadas. Na altura tinha apenas 21 anos, mas já havia uma intenção muito fiel e forte de ser o que sou hoje. Há períodos de que não gosto mesmo, há outros de que gosto muito, como por exemplo as coleções de 2008 a 2010 e depois a partir da 2011.
– A moda é um mundo muito competitivo, onde a oferta é gigante, mas o Luís conseguiu que o seu traço seja reconhecido...
– Sim, e isso é o mais importante. A assinatura é o ADN de um estilista, sem isso um criador de moda não existe. É o traço que nos distingue e, para mim, é uma grande vitória.
– Faz parte dos seus planos alargar a marca Luís Buchinho a outros produtos?
– Neste momento estou a desenvolver uma linha de calçado e no futuro irei trabalhar uma linha de acessórios.
– Atualmente metade da produção da marca é para exportação. Este é um trabalho que tem feito gradualmente...
– O mercado nacional é pequeno e a conjuntura económica dos últimos anos fez com que tivéssemos de procurar soluções no mercado internacional. Estamos há dois anos e meio a trabalhar na exportação, marcamos presença nas principais feiras de moda e os contactos foram-se estabelecendo ao ponto de já estarmos presentes em 19 países.
– Onde é que se sente em casa, no Porto ou em Setúbal?
– Vim para o Porto para estudar e, no início, resisti bastante, porque a cidade era mais inóspita do que é hoje. No entanto, sempre lhe vi beleza. Além disso, em termos de trabalho, é muito prático estar no Porto, porque é a norte que está tudo. Percebi isso há 25 anos, como tal seria muito difícil regressar ao sul. Se não fui antes, também já não é agora...
– Dá aulas na Modatex há oito anos e contacta com as no­vas gerações. É importante essa partilha de experiências?
– É muito bom estar perto da nova vaga de estilistas, porque me ajuda a perceber a mentalidade dos mais jovens. Mas creio que para eles também é importante terem mentores. Ninguém na minha geração teve quem os orientasse para o futuro. Eu, e outros como eu, podemos ajudá-los com a nossa experiência.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras