Nas Bancas

Ana Laíns: “Continuo a ser uma menina ingénua, mas por opção”

Numa tarde passada na praia, a cantora conversou com a CARAS sobre o seu amor pela língua portuguesa e pela música.

Marta Mesquita
4 de outubro de 2015, 14:00

A música entrou na vida de Ana Laíns, de 36 anos, logo na infância. Cantava nos festivais da escola e já aí tinha público. Mais tarde, na adolescência, no meio das suas aventuras com bandas de garagem, descobriu o fado. Não foi uma paixão assolapada, antes um amor que se foi colando à pele. Ana não gosta de ser definida como fadista, até porque não canta só fado nem quer chocar os mais puristas. Independentemente do que interpreta, a artista canta com a alma, transportando no timbre a portugalidade que tanto a apaixona. A sua música e o amor por Portugal têm-na levado pelo mundo fora, tendo sido convidada para ser embaixadora dos Oito Séculos da Língua Portuguesa, cujas comemorações encerraram em julho, num concerto que encheu o CCB e durante o qual a artista partilhou o palco com muitos nomes conhecidos da lusofonia.
Ao seu lado na música e na vida a cantora tem o marido, o músico Paulo Loureiro, que descreve como “o meu tudo.”
– Como artista, está muito associada ao fado, mas a sua música vai mais além...
Ana Laíns
– Sim, a minha música é mais abrangente. Canto música de cariz tradicional português, até porque sou portuguesa por convicção. Quando gravei o primeiro disco, Sentidos, em 2006, quis dizer que estou aqui, que sou uma artista que tem uma paixão inabalável pela sua cultura, pela sua língua e pela sua condição de ser portuguesa. O segundo disco, Quatro Caminhos, editado em 2010, vem na mesma linha, mas mostra outras certezas e dúvidas. Canto fado, mas não sou fadista.
– E como define essa “condição de ser portuguesa”?
– Significa que tenho muito respeito pelo país onde nasci. Sinto que tenho uma missão para cumprir neste lugar. Aceito o meu país, com todas as suas qualidades e defeitos e acredito que temos o privilégio de viver num lugar como poucos. Sou profundamente apaixonada pelo nosso país.
– É esse sentimento de portugalidade que a distingue dos demais artistas da sua geração?
– Gosto de pensar que tenho uma missão, que passa por ser uma espécie de Vasco da Gama da cultura portuguesa, mas de uma forma descontraída e muito humana. Nos meus concertos gosto de transportar as pessoas para o palco e de sair para a plateia. Não tem de haver uma barreira entre nós e o público. Gosto de transformar os meus concertos em momentos de partilha que as pessoas levam depois no coração.
– Viaja muito em trabalho. Consegue ter tempo para a sua vida pessoal?
– Tenho a sorte de o meu marido ser o meu diretor musical! A parte mais complicada é a falta de tempo que tenho para a minha família e para os meus amigos. Às vezes penso que tenho uma grande sorte por ainda ter amigos, quando tenho tão pouco tempo para eles... Trabalho muito, até porque faço o meu agenciamento e isso tem sido uma experiência muito absorvente. Às vezes estou dois meses sem ver a minha mãe, o que me faz muita impressão, porque estar em contacto com as minhas raízes é fundamental para o meu equilíbrio. Mas a minha vida é a música e tudo acontece a partir daí.
– E é fácil trabalhar com o marido?
– Sim, é. Estamos juntos há 16 anos e casados há oito. Claro que também já tivemos problemas, como todos os casais, mas temos conseguido alimentar o nosso amor diaria­mente. O meu marido é a água quente na minha água fria. Não acredito em almas gémeas, mas o Paulo complementa-me. É a pessoa que me puxa para a terra, que me diz com frontalidade tudo o que é difícil de ouvir de outras pessoas... O Paulo é o meu tudo.
– Mas não se cansam um do outro?
– Não, porque damos o espaço necessário ao outro. Para mim, o casamento são duas circunferências que por vezes se intercetam. Nunca perdemos a nossa individualidade e isso tem sido o segredo da nossa relação.
– Disse que precisa de estar em contacto com as suas raízes. Ainda há muito em si da jovem que cresceu no Ribatejo?
– Sim, ainda sou essa menina. Mantenho a fé de que as pessoas e o mundo são bons. Dizem-me que sou idealista, mas no dia em que deixar de o ser perco o motivo para aqui estar. Continuo a ser uma menina ingénua, mas por opção. Sou uma pessoa que procura ser melhor todos os dias e que nunca se compara aos outros. Vivo com a expectativa de nos ver a cuidar uns dos outros. O meu mundo é um sítio maravilhoso, porque à minha volta existem muitas pessoas que pensam e agem da mesma maneira.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras